Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




QUANDO É DE ESPERAR SENTADO !!!

por O Fiscal, em 19.11.15

http://www.Publico.pt/politica/noticia/nao-e-justificavel-adiar-por-mais-tempo-a-formacao-de-um-novo-governo-diz-sampaiicopuo-1714857?frm=

 

Paulo Pena

O antecessor de Cavaco Silva comenta, pela primeira vez, a actual situação política.

As solicitações foram várias, mas o ex-Presidente Jorge Sampaio recusou sempre comentar o desfecho das eleições legislativas de 4 de Outubro. Fê-lo, pela primeira vez, esta quarta-feira, em Beja, numa palestra com o sugestivo título, em forma de interrogação: Que Portugal queremos?

Sampaio quis ser "claro". E foi: "Sendo as indicações parlamentares fáceis de ler, não é justificável adiar por mais tempo a formação de um novo governo."

Dirigido a Cavaco Silva foi também um apelo: "Portugal precisa de um governo na plenitude das suas funções, como preceitua a Constituição da República, e capaz de responder às duras exigências que a situação nacional e os constrangimentos internacionais nos colocam." Esse governo, continuou, deve ter "condições de ver o seu programa passar na Assembleia da República" e deve, na opinião de Sampaio, "governar na plenitude das suas funções".

Com estas condições, embora sem o referir explicitamente, o ex-Presidente afasta os cenários alternativos à indigitação do PS com o apoio dos restantes partidos da esquerda. É que um governo de "gestão" da actual maioria PSD-CDS, ou até de "iniciativa presidencial", não dispõe da garantia de ver aprovado o seu programa no Parlamento, nem pode funcionar em "plenitude" de funções.

"No nosso quadro constitucional, os governos formam-se a partir dos resultados das eleições parlamentares, apresentam-se e respondem politicamente perante o Parlamento", afirmou Sampaio, afastando qualquer dúvida sobre a sua leitura das nunaces do "semi-presidencialismo". "Numa altura em que o povo acabou de votar e não pode ser chamado a votar de novo, cabe ao Presidente da República o desempenho de um poder de livre exercício", continuou, "subordinado exclusivamente à interpretação que faz do interesse público". Assim, conclui o ex-Presidente, cabe a Cavaco Silva "nomear um governo que tenha condições" para governar e um programa aprovado pelos deputados.

Jorge Sampaio foi ainda mais longe: "A política é um compromisso continuado com a coisa pública. Nas democracias representativas, o povo delega no Parlamento, que elege e que representa a sua vontade, a governação da coisa pública. "

Esta é uma matéria sobre a qual Sampaio tem "convicções fortes". Uma das principais é a de que é "crucial" para o futuro "restaurar a confiança dos cidadãos na política". "Desenganem-se os que pensam que os mercados resolvem tudo ou que as redes sociais e as iniciativas ditas 'cidadãs' substituem o papel do Estado e das políticas públicas. Desenganem-se também os que pensam que a democracia se pode suspender em nome dos humores dos mercados ou da estabilidade entendida como negação de alternativas."

Nesta palestra, Sampaio defendeu ainda "o papel do Estado social e das políticas públicas na criação de sociedades prósperas, coesas e inclusivas".

Falando sobre a relação entre o Estado e os mercados, Sampaio deixou claro que "há áreas em que a intervenção do Estado produz melhores e mais eficazes resultados do que os mercados – é o caso, por exemplo, da educação, da equidade e do acesso em saúde pública, da justiça".

Porém, prosseguiu, "o Estado não pode resolver todos os problemas". Tal não significa que os mercados devam substituir as funções públicas: "Os mercados entregues a si próprios não asseguram a estabilidade, equidade e eficácia, porque os mercados não são fins em si mesmos – por exemplo, os mercados sobreproduzem poluição; subproduzem investigação; ignoram o desemprego, as populações desfavorecidas, a terceira idade."

Comentários:

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

Aposentado , Abrantes

O sr. Jorge Sampaio, ex-PR, finalmente quebrou o silêncio, sobre o momento político que vivemos, só que, deixem-me que o diga, de forma " algo anacrónica! ". Porquê?...em primeiro lugar, porque " inteligentemente " fugiu a pronunciar-se sobre o que achava, na sua " douta opinião! " da actuação do seu camarada socialista sr. António Costa ** ( parecendo querer limitar-se à análise das consequências/ na sequência do acto eleitoral de 4 de Outubro/do ocorrido na AR no dia 10/, como se, não tivesse causas remotas e próximas), em segundo lugar porque, deixa transparecer uma crítica, de certo modo, inexplicável ao actual PR sr. Cavaco Silva(em que parece acusar o PR de estar injustificadamente a protelar a nomeação de AC como PM),dada a algo similitude de situação/actuação dele próprio como PR..!!

MAS... MAIS - ** OUTRA COISA NÃO SERIA DE ESPERAR.... É EVIDENTE QUE O SR. JORGE SAMPAIO NÃO IRIA PRONUNCIAR-SE SOBRE A "ACTUAÇÃO!?" DO SR. ANTÓNIO COSTA(diria eu) EXACTAMENTE "PER CAUSE" DO QUE DEIXEI SUBJACENTE NO POST DO DIA 15 / TÃO SÓ!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:53


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Novembro 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D