Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




MANIFESTOS...OU...MANIFESTANTES?

por O Fiscal, em 12.02.15

http://www.publico.pt/politica/noticia/apelo-a-passos-para-rever-posicao-face-a-grecia-1685846

Personalidades apelam a Passos para rever posição sobre a Grécia

Numa carta dirigida ao primeiro-ministro, vários cientistas, economistas, embaixadores e políticos de todos os sectores defendem que é “do interesse de Portugal contribuir activamente para uma solução multilateral do problema das dívidas europeias” e que é “contraproducente” a forma como o Governo encara o problema grego.

A carta tem duas ideias principais: O Governo português, ao insistir, a propósito da Grécia, que “a política de austeridade prosseguida se deve manter inalterada”, escolhe um caminho “contraproducente”; mais ainda quando esta é, na opinião dos subscritores, uma “oportunidade que não pode ser desperdiçada para um debate europeu sobre a recuperação das economias e das políticas sociais”.

No momento em que Passos Coelho se prepara para enfrentar um dos mais decisivos Conselhos Europeus do seu mandato, esta quinta-feira, em Bruxelas, a carta surge com diversas intenções. Um “apelo”, um “pedido”, um “alerta à opinião pública”. É assim que vários dos autores descrevem ao PÚBLICO esta iniciativa.

Subscrevem esta carta vários dos dinamizadores do anterior “Manifesto dos 74”, sobre a renegociação da dívida portuguesa, como António Bagão Félix, Francisco Louçã, João Cravinho e Carvalho da Silva. Mas esta carta tem outros nomes que, adianta Pedro Adão e Silva, um dos autores, “revelam que há um consenso alargadíssimo na sociedade portuguesa, de que o Governo não faz parte”. No campo político, há personalidades de todos os quadrantes: Octávio Teixeira (PCP), Mariana Mortágua (BE), José Reis (Tempo de Avançar), Carlos César (presidente do PS), Pacheco Pereira (PSD), Ricardo Bayão Horta (CDS). A principal novidade é a inclusão de cientistas que habitualmente não integram este tipo de manifestos, como Maria Mota (Prémio Pessoa 2013) e Mónica Bettencourt Dias, por exemplo.

Para Octávio Teixeira, esta carta aponta a abordagem “completamente errada” do Governo português face à Grécia: “Portugal tem problemas idênticos e não deve ter uma posição de total oposição à abertura de negociações. Por isso alertamos o primeiro-ministro para o seu dever de pensar o nosso país também. O que tem sido dito é contrário aos interesses de Portugal.” Pedro Adão e Silva salienta, ainda, que a carta rejeita “uma solução bilateral” e aponta o caminho “de uma resposta europeia”. José Reis, director da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, concorda: “Antes de ser grego ou português, este é um problema europeu. A solução só pode ser cooperativa, solidária e europeia.”

Para Francisco Louçã, “Portugal não se pode isolar de um debate que pode ser decisivo ou perigosíssimo para a Europa”. O perigo está na tentação de forçar “a saída da Grécia do euro”, o que seria “gravíssimo”.

O almirante Melo Gomes, ex-chefe do Estado-Maior da Armada, considera que “a situação mais perigosa" para Portugal seria ficar isolado "com uma posição radical, e não com uma atitude construtiva e de aproximação” face à Grécia.

O discurso do primeiro-ministro, a este respeito, tem apontado a Grécia como um caso “singular” no contexto europeu. "A Europa tem o dever e o interesse em ajudar a Grécia a ultrapassar os seus problemas, o que não pode é fazê-lo de qualquer maneira, o que não se pode dizer é que a Grécia é um problema da Europa, dos portugueses, dos espanhóis e dos franceses."

Já o Presidente da República proferiu esta quarta-feira declarações ainda mais duras: "A Grécia não pode fazer o que bem entende." Para Cavaco Silva, "Portugal tem vindo a demonstrar solidariedade em relação à Grécia para que ela permaneça na zona do euro. Além do empréstimo que fizemos à Grécia de cerca de 1100 milhões de euros, Portugal tem vindo a transferir para a Grécia o produto dos juros das obrigações na posse do Banco de Portugal, o que significa muitos milhões de euros que saem da bolsa dos contribuintes portugueses". Esta última afirmação é polémica, uma vez que os juros das obrigações gregas apenas são incluídos no Orçamento português por uma questão “política”, dado que o BCE – que é quem de facto compra a dívida grega, e não os “contribuintes portugueses” – acordou com os Estados-membros um processo de devolução indirecta dos juros, tal como foi decidido no processo de reestruturação da dívida helénica.

A afirmação de Cavaco levou Carlos César a acusá-lo de ter “pouco sentido de Estado”. Octávio Teixeira prefere a ironia: “Estar calado é mau, mas é melhor do que dizer coisas destas…”

Comentários:

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

Aposentado , Abrantes

Deixem-me que observe ««« desconfio muito das intenções destes subscritores de "manifestos". São sempre os mesmos(lembremo-nos, pelo menos, do intitulado dos 74/faltam aqui 42?). É que todos(?) participaram num fórum que apregoou "têmos que correr já com o PM/PPC claro/ nem que seja á paulada". Por outro lado, muitos deles, têm graves e sérias responsabilidades no ao que o país chegou na primavera de 2011. Entendo que o povo grego, com algumas culpas próprias, foi vítima, tal como o povo português, de políticos irresponsáveis, não sendo merecedor de uma qualquer segregação/sim apoio, mas, cujos políticos actuais têm que ser acima de tudo responsáveis(isso tem sido um tanto descurado),por cá felizmente desde 2011, há um PM determinado/sensível/não pressionável por certos modos obscuros»»»!!

MAS DIRIA AINDA MAIS....É DE TER EM ATENÇÃO, QUE, MUITAS DESTAS PERSONALIDADES " TOPO? " DESTE GRUPO DE 32, TAL COMO OUTRAS(QUE COM ESTAS TAMBÉM FAZIAM PARTE DOS 74 DE HÁ UNS TEMPOS) QUE POR SINAL VAMOS VENDO DE SEMANA EM SEMANA NAS TV´s BOTANDO BOCAS DE COMENTÁRIO(POR SINAL MUITO BEM PAGAS / SEM SABERMOS O SEU TRATAMENTO FISCAL), NEM AO MENOS TÊM TIDO A OMBRIEDADE DE UMA DESCULPA PERANTE POSIÇÕES PRECIPITADAS DE QUE TÊM SIDO PROTAGONISTAS PERIODICAMENTE DURANTE O MANDATO DESTE ACTUAL PM ( DESDE O IRMOS A CAMINHO DO DESASTRE? / EM ESPIRAL RECESSIVA? / QUIÇÁ PARA UM SEGUNDO RESGATE? / SAÍDA DA TROIKA LIMPA OU SUJA? / CONTROLE OU DESCONTROLE DE DÉFICE? / CUMPRIMENTO DE METAS? / REGRESSO A MERCADOS?, ETC, ETC)......NÃO SERÁ DE ESTAR COM UM PÉ ATRÁS COM INDIVIDUALIDADES DESTAS?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:46



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Fevereiro 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D