Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Portugal andou "muitas décadas para trás”, diz António Costa

 

O líder do PS sublinhou "o grande aumento da pobreza" que se registou nos últimos anos

O líder do PS, António Costa, afirmou este sábado, em Barcelos, que Portugal, nos últimos quatro anos, andou "muitas décadas para trás", apontando como exemplos a produção de riqueza, o emprego e o investimento privado.

Segundo António Costa, a riqueza que o país produz está ao nível de 2003, a população actualmente empregada é igual à de 1996, o investimento caiu para um nível semelhante ao de há três décadas. "Em quatro anos, andámos muitas décadas para trás", afirmou. Apontou ainda os números da emigração, que "não eram tão elevados desde 1966".

Mas para o secretário-geral socialista, "o indicador mais grave" do "retrocesso" registado em Portugal nos últimos quatro anos é "o grande aumento da pobreza", nomeadamente a pobreza infantil e juvenil, com "31% dos portugueses dos 0 aos 18 anos abaixo do limiar da pobreza".

Por isso, Costa voltou a criticar a afirmação da ministra das Finanças "Portugal tem os cofres cheios", acusando o Governo de "descolar" da realidade. "Uma sociedade não está cheia de nada se houver pessoas a viver sem dignidade", referiu.

Recebido em Barcelos com bombos, em tom de pré-campanha eleitoral, com uma arruada pela cidade, António Costa apelou à mudança nas próximas legislativas, dizendo que o actual Governo "não tem emenda, não tem cura e não tem perdão".

Classificou mesmo o executivo de Pedro Passos Coelho como "o Governo do passa culpa", por "nunca assumir responsabilidades de nada", seja do "caos" do início do ano lectivo ou dos hospitais no pico da gripe, seja da "completa paralisação" dos tribunais por causa do colapso da plataforma Citius, seja no caso da alegada lista dos contribuintes VIP.

Para Costa, a política do actual Governo "falhou" porque "não olhou para os problemas com pragmatismo mas sim com radicalismo ideológico". Um radicalismo que, acrescentou, o levou, sempre em nome do "grande objectivo" de redução da dívida, a "esmagar" a função pública, a cortar nas ajudas sociais, a aumentar as taxas moderadoras, a operar a quarta maior redução de salários de toda a União Europeia e a implementar uma carga fiscal "recorde" em Portugal. "Mas realidade é que hoje, apesar de todos os sacrifícios, devemos mais do que devíamos", acentuou.

 
 

Comentários:

 

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

Aposentado , Abrantes

Deixem-me que diga,"continuo com uma grande dúvida"«« será que a maioria dos portugueses, lá para os primórdios do outono, quererão este PS e este seu actual líder AC, alcandorados ao governo e seu PM? »» é que esta actual "gentalha!"instalada ao mais alto nível do partido, de duas uma, ou vem tratando o povinho como uma "cambada de atrasados mentais"ou andarão tal modo desnorteados que já não sabem o que fazem /dizem, porque, tão depressa diz(em) "o país está hoje diferente de há 4 anos atrás!"como logo passam ao "o país nos últimos 4 anos andou muitas décadas para trás",ou será que têm duas caras? ou será que são os outros que não os percebem? ou será que ele(s) acham que devem dizer uma coisa para fora(chinezadas!) e outra para dentro(portuguezadas!)?ou será que já não se enxergam?!!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:21



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Março 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D