Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




BOA NOTÍCIA ESTA DE HOJE.... MAS...!!!

por O Fiscal, em 18.11.15

http://www.publico.pt/economia/noticia/portugal-emitiu-1500-milhoes-de-divida-com-taxas-de-juro-negativas-1714789

Portugal emitiu 1500 milhões de dívida com taxas de juro negativas

É a primeira vez que o país consegue juros abaixo de zero nos bilhetes de tesouro com prazo de 12 meses.

A tendência dos juros tem sido de queda

Num contexto de incerteza política, Portugal emitiu 1500 milhões de euros de dívida com prazos de seis e 12 meses, que obtiveram juros negativos. Isto significa que o país acabará por devolver aos investidores menos dinheiro do que aquele que agora pediu emprestado.

Foram colocados no mercado 1100 milhões de euros em bilhetes de tesouro a 12 meses, tendo sido a primeira vez que Portugal conseguiu taxas negativas neste prazo. A taxa de juro média é de -0,006%, abaixo dos 0,051% que tinham sido obtidos em Setembro.

Os restantes 400 milhões de euros correspondem a bilhetes do tesouro a seis meses, que obtiveram uma taxa média de -0,018%, também abaixo do anterior leilão, no qual a taxa ficara já abaixo de zero, nos -0,006%. Quanto mais curto for o prazo de reembolso, mais baixas tendem a ser os juros pedidos pelos investidores.

“Nestes leilões, Portugal atingiu níveis recorde para a sua dívida. As taxas são as mais baixas de sempre, o que é uma excelente notícia para a descida do custo médio do endividamento do país”, aponta o analista Filipe Silva, do Banco Carregosa, acrescentando que “mais uma vez a instabilidade política em torno da criação do próximo Governo não teve qualquer impacto”.

Também o analista Pedro Santos, da corretora XTB, refere que “a actual crise política interna não é suficiente para inverter a tendência descendente das taxas de curto prazo”. O analista diz que já era esperado que o leilão de dívida pública corresse bem: “Como era expectável, o leilão de dívida a seis e 12 meses revelou-se um bom negócio para o Tesouro português. As baixas taxas de juro patrocinadas pela intervenção do Banco Central Europeu permitem ao Estado português renovar a dívida com taxas de juro mais baixas.”

Comentários:

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

Aposentado , Abrantes

Esta é ou não uma boa notícia? Para já é (não pela reacção assaz rejeitável que ela suscitou de imediato por parte do BE, tal a forma "estúpida!" de que se revestiu) pois que demonstra, mesmo atendendo à "incerteza!" política que se vive, que a credibilidade interna e externa do país, conseguida com grande esforço, nos últimos 4 anos, não evidencia qualquer quebra/antes pelo contrário/) e se futuramente o continuará a ser, ah!, isso é matéria que só o futuro nos dirá(nada/nada mesmo/justificando que alinhemos à priori com cepticismos, embora devamos, isso sim, estarmos vigilantes/quiçá muitos de nós, mais, do que se esteve, designadamente, nos dois últimos anos, a fim de que, depois não venhamos a dizer que nos mostramos surpreendidos por algo que nos foi escondido)..!!!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:56



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Novembro 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D