Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A AUSTERIDADE CURA OU MATA?

por O Fiscal, em 20.02.14

PROCURE-SE SE HAVERÁ AQUI ALGUMA CONTRADIÇÃO....

 

http://www.publico.pt/economia/noticia/inquiridos-sentem-que-austeridade-mata-muito-mais-do-que-cura-1624423

 

Inquérito mostra sentimento de que a austeridade no país é "inevitável"

 

 

61,7% dos portugueses entrevistados num estudo de opinião da Eurosondagem sentem que o resgate financeiro a Portugal “mata” mais do que “cura”.

Maioria dos inquiridos considera que as políticas de austeridade vão continuar nos próximos anos

 

“A austeridade mata muito mais do que cura”. Éste é o sentimento de 61,7% dos portugueses inquiridos pela Eurosondagem acerca das políticas de austeridade implementadas pela Troika. Estes resultados foram apresentados esta quarta-feira em Lisboa, durante a apresentação do livro "A Austeridade Cura? A Austeridade Mata?".

 

O estudo de opinião, encomendado exclusivamente no âmbito da obra coordenada por Eduardo Paz Ferreira, corresponde a um “sentimento comum anti-austeridade”, já que mais de metade dos inquiridos considera que a austeridade “afunda o país económica e socialmente”, conforme afirma o professor catedrático da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

 

No entanto, os sentimentos da amostra considerada dividem-se entre a inevitabilidade (42,5%) e a discordância (37,7%). Este é um resultado “impressionante”, já que espelha a “passividade” e “resignação” com que a população está a lidar com o programa de ajustamento concebido para Portugal, reagiu Eduardo Paz Ferreira, após questionado pelo PÚBLICO sobre os resultados.

 

No que respeita ao fim do programa de ajustamento, 63,6% dos inquiridos prevê que, mesmo com a retirada das políticas da troika, a austeridade vá prosseguir por uns anos. Estes dados de opinão surgiram na mesma semana em que a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, reafirmou que a disciplina orçamental vai ter continuar por "muitos anos".

O misto entre a convicção de que a austeridade “mata” e vai continuar é, para o ideólogo deste projecto de investigação, “pouco agradável”. Contudo 49,3% dos portugueses inquiridos “duvida da existência de propostas credíveis para lhe por fim”.

 

Quanto a saber de quem depende mais o abrandamento das medidas, a amostra de portugueses divide-se com uma ligeira maioria a achar que o Governo português e as suas acções prevalecem (46,4%) à “Alemanha, à troika e às evoluções exteriores” (43,2%).

 

Para esta análise foram entrevistados telefonicamente 1033 portugueses, com mais de 18 anos, sendo que a escolha dos lares foi aleatória. O erro máximo da amostra é de 3,05%, para um grau de probabilidade de 95,0%.

 

Contribuir para o debate

 

No livro hoje apresentado são divulgados mais de 80 depoimentos de pessoas de diferentes gerações e posicionamentos políticos, que se pronunciam sobre os efeitos da austeridade no plano económico, no domínio das finanças públicas e nas áreas sociais. Entre os testemunhos prestados estão o de Adriano Moreira, antigo líder do CDS, Eduardo Ferro Rodrigues, ex-líder do PS, Francisco Louçã, anterior líder do BE ou Teodora Cardoso, presidente do Conselho das Finanças Públicas.

“A liberdade de discussão e debate é uma condição essencial da democracia e do desenho de políticas económicas adequadas”, refere Eduardo Paz Ferreira no prefácio da obra, sublinhando esperar que o livro ajude a um debate sobre a actual situação do país.

 

Comentários:

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

Aposentado , Abrantes

Se me for permitido...tenho uma opinião...sobre o que está aqui subjacente...««« De um lado estão aqueles do "politicamente correcto" ou seja os políticos intelectuais e seus seguidores com seus interesses...do outro lado estão aqueles do "politicamente incorrecto " ou seja os que agarrados por uma realidade para a qual directamente não contribuiram mas que perceberam perfeitamente o que lhes aconteceu e está em causa/contestam-no embora achando que lhes foi posto á frente afinal uma inevitabilidade/ pelo que já se estão "marinbando" para a "tal dita correcção"»»»...é o que vejo nos " sinais " vindos...quer do livro " A austeridade cura?..A austeridade mata? quer da " Sondagem aludida "...ora...isto não é nada salutar em democracia mas tem sido desde há muito para onde nos empurraram!!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:29



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Fevereiro 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D