Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



MAIS UM EXEMPLO?


http://www.publico.pt/economia/noticia/funcao-publica-e-pensionistas-da-cga-recebem-subsidio-de-ferias-no-natal-1613129


Função pública e pensionistas da CGA recebem subsídio de férias no Natal

Acerto do IRS tira parte do subsídio. Pensionistas podem perder mais de 45% e função pública 35%.

Rui Gaudêncio

 

Os trabalhadores do sector público e os pensionistas da Caixa Geral de Aposentações (CGA) começam nesta quarta-feira a receber a totalidade ou parte (a que não foi paga em Junho) do subsídio de férias, no dia em que habitualmente lhes era pago o subsídio de Natal. Mas quando consultarem o extracto bancário, os mais distraídos poderão ter uma surpresa. É que o valor do subsídio será menor do que o esperado, devido ao acerto das tabelas de retenção na fonte do IRS.

 

O Ministério das Finanças garante que “o subsídio é pago com o vencimento de Novembro”, de acordo com o calendário que consta do aviso 14.589/2011. Na prática, isto significa que a prestação será paga aos trabalhadores entre 20 e 23 de Novembro. De acordo com os calendários consultados pelo PÚBLICO, alguns pensionistas da CGA já terão recebido na sexta-feira e os restantes também receberão no dia 20. No caso da Segurança Social, o pagamento será efectuado em Dezembro.

 

O impacto dos acertos do IRS depende do valor dos subsídios. Para os reformados com pensões na ordem dos 800 euros, o impacto é nulo, mas para quem recebe acima deste valor os cortes podem ultrapassar os 45%. De acordo com os cálculos efectuados para o PÚBLICO pela consultora PwC (PricewaterhouseCoopers), o impacto é mais visível nas pensões mais elevadas. No caso dos funcionários públicos o impacto é relativamente menor, mas nas remunerações mais altas pode rondar os 35%.

 

Acerto do IRS tira parte do subsídio
Este acerto decorre do facto de, em 2013, o Governo ter determinado um corte ou redução dos subsídios de férias pagos a funcionários públicos e pensionistas com salários brutos acima de 600 euros. As tabelas de retenção na fonte do IRS foram construídas com base no pressuposto de que funcionários e pensionistas apenas receberiam 13 meses, em vez dos habituais 14. Mas, em Abril, o Tribunal Constitucional chumbou o corte do subsídio de férias.

 

Para responder ao acórdão, o Governo, em vez de pagar o subsídio de férias em Junho e Julho como é habitual, optou por adiar o pagamento para Novembro e Dezembro, alegando razões de tesouraria e de regularidade do ritmo da execução orçamental.

 

A decisão obrigou a rever as tabelas de retenção dos pensionistas e a aplicar aos funcionários públicos as tabelas dos trabalhadores do privado. Mas também aqui se decidiu que o acerto apenas seria feito com o pagamento da totalidade do subsídio, o que explica os “cortes” identificados nas simulações.

 

Em 2013, os funcionários públicos e os pensionistas estão a receber o subsídio de Natal em duodécimos. Já o subsídio de férias é pago em dois momentos. Quem tem salários ou pensões brutas até 600 euros recebeu a totalidade do seu subsídio em Junho ou Julho. Quem tem rendimentos de salários ou pensões de 600 a 1100 recebeu parte antes do Verão e receberá a restante agora.

 

No caso dos aposentados com pensões acima de 1100 euros, receberam 10% do subsídio de férias em Julho e receberão os restantes 90% antes do Natal. Os funcionários do Estado com remunerações acima deste montante só agora verão devolvida a totalidade do subsídio.

 

Comércio beneficia
O comércio tem algumas expectativas quanto ao efeito no consumo interno da reposição da totalidade do subsídio de férias dos funcionários públicos e pensionistas. “Os valores que vão ser pagos são, em muitos casos, significativos”, admitiu à agência Lusa o presidente da Confederação do Comércio e Serviços, João Vieira Lopes.

 

O dirigente destaca que haverá “mais alguma disponibilidade para gastar” no Natal, depois de, nos últimos dois anos, se terem registado quedas médias na ordem dos 10% a 15%. Mas tem dificuldade em quantificar o impacto.

“Se, por um lado, poderá haver mais alguma disponibilidade financeira, por outro, não se consegue avaliar o impacto negativo de ameaças como o documento do FMI [o relatório da oitava e nona avaliações divulgado na semana passada] ou até a maneira como tem sido encarado pela opinião pública o Orçamento de Estado”, explicou o presidente da confederação


 

Comentários:

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

Aposentado , Abrantes

Embora aqui o JP seja cauteloso na abordagem desta temática não posso deixar de criticar a TVI24 pela mesma noticiação que vi no seu jornal das 14h em que apontava para corte a pensionistas que ultrapassaria os 60% dando mesmo um exemplo..subsídio que deveria ser de á volta de 2.000 receberia á volta de 900..penso que estão a falar em termos do líquido...ora sendo assim nada mais falso..porquanto sou um pensionista cuja pensão líquida normal vem sendo á volta dos 1.900 foi-me pago agora de subsídio á volta de 1.100(a que terá de acrescer á volta de 270 já pago em julho) ou seja de SF acabo por receber á volta de 70%..é claro que este "corte!" deve-se aos acertos de descontos normais e da nova retenção do IRS rectroactivamente o que me parece favorável..é assim de lamentar certa informação!




Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:39



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Novembro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D