Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



http://www.publico.pt/economia/noticia/governo-ja-mandou-travar-subconcessoes-dos-transportes-1716588

Governo já mandou travar subconcessões dos transportes

Em carta enviada às empresas, Ministério do Ambiente impede-as de responder aos pedidos de esclarecimento solicitados.

Carris é uma das empresas com a subconcessão travada

Como era expectável, para dar seguimento às promessas assumidas em campanha eleitoral, o governo de Antonio Costa já tomou medidas para evitar que os contratos de subconcessão de transportes assinados com as empresas Transdev, para explorar o Metro do Porto, Alsa, para explorar a STCP, e Avanza, para explorar a Carris e Metro de Lisboa, possam entrar em vigor. Estes contratos só adquiriam força de lei depois de receberem um visto prévio do Tribunal de Contas, e, num comunicado divulgado este sábado, o Ministério do Ambiente, que tem a tutela da mobilidade urbana, dá conta da intenção de "mandar suspender com efeitos imediatos o processo de obtenção de visto prévio" destes contratos.

Em termos práticos, o que o ministério de Matos Fernandes deliberou - tal como o PÚBLICO já havia avançado - foi impedir as empresas de apresentar qualquer documento que desse resposta aos pedidos de esclarecimentos solicitados pelo organismo que fiscaliza as despesas do Estado. Na carta que enviou às empresas, o Ministério do Ambiente solicitou o "envio de cópia de toda a documentação relativa ao procedimento de contratação que serviu de base à celebração do Contrato de Subconcessão", de "todas as instruções recebidas da tutela relativas ao contrato de subconcessão e respectivo procedimento concursal" e de "todas as deliberações e outras decisões internas relativas a esta matéria”.

Já neste sábado, o ministro do Ambiente esclareceu, citado pela Lusa, que travou as empresas de transporte de prestarem esclarecimentos ao Tribunal de Contas porque a instituição "colocou um conjunto vastíssimo de perguntas" em razão "daquilo que são os contratos e os procedimentos concursais", acrescentando que " algumas delas são de extraordinária difícil resposta".

Matos Fernandes fez questão de frisar que esta decisão "não acarreta qualquer prejuízo" e que "a reversão não se faz num estalar dos dedos" porque o ministério tem agora "um processo de apreciação profundo de todas estas matérias", acreditando que estará concluída "num mês ou mês e meio".

Recorde-se que o Tribunal de Contas devolveu por duas vezes os contratos de subconcessão com novos pedidos de esclarecimento, permitindo, durante essa troca de correspondência, que o prazo de 30 dias úteis que lhe são dados por lei para analisar os procedimentos concursais fosse suspenso. E, tal como António Costa lembrou aos deputados durante a sessão parlamentar em que discutiu o seu programa de governo, a inexistência de um visto prévio impede que o montante de indemnizações que venha a ser pedida pelos consórcios privados aumente.

No passado dia 26 de Novembro, altura em que estava agendada a discussão na Assembleia da República dos projectos de lei do PCP, PS, BE e PEV que definiam a anulação, cancelamento e reversão dos processos de subconcessão dos transportes públicos de Lisboa e Porto, a votação acabou por ser adiada. Por iniciativa do PS, as bancadas de esquerda aprovaram requerimentos que solicitavam a sua não votação na generalidade e a baixa à discussão na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas. A intenção era dar margem de manobra ao governo, para começar a negociar com as empresas em causa.

Todas as bancadas da esquerda são a favor da anulação destes contratos, para garantir a continuidade destas empresas de transporte na esfera pública do Estado. Mas os PCP, BE e PS têm visões relativamente diferentes quanto ao grau de estatitização desses sistemas de transporte. PS e Bloco de Esquerda defendem um aumento da influência das autarquias na gestão destes sistemas, Bloco e PCP pedem alteração das bases de concessão do metro do Porto para garantir que os funcionários que o operam adquiram o estatuto de funcionários públicos (até agora pertencem a uma sociedade operadora que reporta ao concessionário privado) e o PS nunca se mostrou contra a figura da subconcessão privada - foi, aliás, o PS quem lançou o concurso para o Metro do Porto precisamente nesses moldes

Os processos estão agora na mão do novo Governo, que pretende analisar todos os contratos. E, apurou o PÚBLICO, do lado de alguns operadores ainda existe a confiança de que o Governo poderá chegar à conclusão que é mais vantajoso economicamente mantê-los, em vez de cancelá-los. Nomeadamente no caso do metro do Porto, que sempre foi operado por privados.

Comentários:

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

Aposentado , Abrantes

Travagens... mas mesmo muito a fundo...é tudo o que o nosso país está a precisar...por exemplo...os portugueses têm de perceber, de uma vez por todas, quem são os culpados do que lhes aconteceu nos últimos anos e depois devem ter coragem democrática de lhes exigir responsabilidades, sem se deixarem influenciar, venha de onde vier, a tentativa, ela mesma, muitas vezes "manipuladora". É o caso aqui da matéria da "travagem das subconcessões dos transportes", porque uns dizem *  «« travões a fundo já, que não há quaisquer prejuízos »», outros dizem ** «« cuidado desde já, com o pé no travão, pois que podemos vir a estampar-mo-nos »», porquanto temos visto vozes "ditas avalizadas!?" para um lado e para o outro(p.ex. respectivamente) opinadores insuspeitos!? como MM* - MFL* ou Vital Moreira**...!!!!!!!!!!

* VIDÉ SEU COMENTÁRIO IN SIC DE 29/11.

   "              "              "        " TVI24 DE 3/12.

**    "             "              "        " BLOG CAUSA NOSSA - POST DE 3/12 " OLHE QUE VAI ".

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:26


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Dezembro 2015

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D