Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




FACTOS E FIGURAS DE 2015

por O Fiscal, em 31.12.15

ESTAS SÃO AS MINHAS ESCOLHAS:

               " NACIONAL "

ACONTECIMENTO - A CONCRETIZAÇÃO DOS GRANDES OBJECTIVOS DA AULA MAGNA DE 21/11/13?

FIGURA - PEDRO PASSOS COELHO?

             " INTERNACIONAL "

ACONTECIMENTO - O DRAMA DOS REFUGIADOS / MIGRANTES?

FIGURA - ÂNGELA MERKEL?

O PORQUÊ?:

A NÍVEL NACIONAL/ACONTECIMENTO/ DE FACTO ESTÃO QUASE ATINGIDOS NA ÍNTEGRA OS ALVOS ESTUDADOS/MONTADOS(CONSEGUIDOS JÁ OS DOMÍNIOS DA AR E GOVERNO,CORRIDO Á PAULADA! PPC,  E EM VIAS DA A CONQUISTA DE BELEM). QUANTO À FIGURA, DESTAQUE PARA A RESILIÊNCIA DE PASSOS COELHO DURANTE QUASE 4 ANOS E MEIO E ACIMA DE TUDO AO QUE AINDA RESISTE DEPOIS DA "PAULADA!".

A NÍVEL INTERNACIONAL/ACONTECIMENTO/ PELO CARÁCTER INAUDITO DE QUE SE TEM REVESTIDO. QUANTO À FIGURA, PELO MODO SURPRESA? COMO MERKEL O ENCAROU.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:03


UM POUCO MAIS DE DECORO,sff

por O Fiscal, em 30.12.15

http://www.publico.pt/politica/noticia/marcelo-elogia-determinacao-do-governo-quanto-a-banif-e-novo-banco-1718699

Marcelo elogia "determinação" do Governo quanto a Banif e Novo Banco

Candidato apoiado pelo PSD e CDS reconhece que os problemas destes bancos representam "heranças complicadas de anos passados".

O candidato presidencial Marcelo Rebelo de Sousa elogiou esta terça-feira a "vontade" e a "determinação" do Governo em resolver "o caso Banif" e "o caso Novo Banco", que são "heranças complicadas de anos passados".

"É um sinal de determinação do Governo e que é muito positivo, no sentido de resolver algumas heranças complicadas de anos passados. Já tivemos o caso Banif e, agora, temos o caso Novo Banco", disse, em declarações aos jornalistas em Évora, durante uma visita ao polo da Mitra da universidade alentejana.

Marcelo Rebelo de Sousa reagia ao facto de a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) ter suspendido de negociação as obrigações seniores do Novo Banco, no mesmo dia em que notícias dão conta de que estes títulos serão usados para recapitalizar a instituição.

O candidato presidencial frisou que, "à medida que decorre o tempo em relação à venda" do Novo Banco, tal "significa preocupação quanto ao dinheiro público envolvido" na instituição e, ao mesmo tempo, "quanto a aplicações privadas que vão ter de ser convertidas em capital do banco, num aumento de capital".

"Em qualquer caso, eu diria que, sendo uma notícia que resulta do atraso de um processo, portanto, de uma herança que acaba por não estar a ser boa, representa determinação, isto é, vontade de resolver um problema" e "essa vontade deve ser sublinhada", insistiu.

Questionado sobre a eventual capitalização do Novo Banco através de obrigações, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que "mais vale ser tomada a decisão agora do que vir a ser tomada mais tarde, com custos que seriam certamente muito mais graves".

"Já há dinheiro público envolvido, bastante dinheiro público envolvido, e ninguém sabe se é recuperado ou não, depende do resultado da venda. E não há boas notícias quando a situação obriga a um aumento de capital por causa deste atraso", uma vez que a venda estava prevista para "o verão", argumentou.

Por isso, continuou, "dentro das más notícias, é um sacrifício dos privados, não dos contribuintes, mas, neste caso, dos aplicadores financeiros".

Segundo o antigo presidente do PSD e ex-comentador político, o Novo Banco "precisa de capital" e isso "é importante" e "fundamental" para a "estabilidade do sistema financeiro", pelo que "é evidente que o Governo tomar a decisão rapidamente revela, de facto, uma coragem, uma determinação, que é louvável".

Antes de visitar o polo da Mitra da Universidade de Évora, nomeadamente o Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas, Marcelo Rebelo de Sousa deslocou-se também à Aldeia da Luz, no concelho de Mourão, onde contactou com a população local.

Comentários

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

Aposentado , Abrantes

Diz-se por aí sobre o candidato presidencial Marcelo Rebelo de Sousa. Muitos,muitos mesmo, que ele é o maior, uns poucos desvalorizam-no. Na minha opinião, talvez não vá por uma coisa nem outra, mas, sim, (não querendo, duvidar dos seus méritos ou ressalvar suas debilidades), um verdadeiro " actor! ", que joga o jogo segundo os seus interesses, nisso já o vimos, há muitos/muitos anos. Não sei se se concretizará ou não uma velha "profecia!" que vi ser-lhe feita por um(só em tempos) seu amigo de peito(muito ligado ao meio jornalístico de topo) que ditava assim(+ou-) ««MRS nunca será alguém de relevo na política, mas, sempre será um excelente comentador »». Estas aqui suas declarações s/Banif-NB são a prova evidente de tal jogo(como outras ultimamente), em que me custa alinhar,mas?...!!!!!!!

MAIS - MRS FALA AQUI DE " HERANÇAS! ".... SERÁ QUE ESTÁ NO SEU «« ESPÍRITO / CONSCIÊNCIA »» ALGO RELATIVO A QUEM SE SAFOU E NÃO SE SAFOU NOS CASOS BES - BANIF?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:23


AINDA POR CÁ A " BANCA "!

por O Fiscal, em 30.12.15

É MESMO CASO PARA NOS INTERROGARMOS «« O QUE SE PASSARÁ COM A NOSSA BANCA? »».

ESTARÁ A RUIR COMO UM " CASTELO DE CARTAS "?

AINDA NÃO REFEITOS DOS PESADELOS " BPN - BCP - BPP ", HÁ ANO E MEIO CAI-NOS EM CIMA O " BES ", HÁ MENOS DE UMA SEMANA FÔMOS ATINGIDOS PELO " BANIF ".

ACABÁMOS ONTEM COM O " NOVO BANCO? ".**

E QUE MAIS NOS ESTARÁ PARA ACONTECER?... FALA-SE JÁ " à boca pequena " E MONTEPIO? E CGD?....

**   http://www.publico.pt/economia/noticia/autoridades-ensaiam-solucao-para-o-novo-banco-que-nao-afecte-mais-os-contribuintes-1718651

Banco de Portugal usa obrigacionistas seniores para aumentar capital do Novo Banco

CMVM suspende negociação das obrigações do Novo Banco.

 

As autoridades estão num sprint final para encontrar uma solução de capitalização do Novo Banco que evite penalizar mais os contribuintes, mas garanta ao banco liderado por Eduardo Stock da Cunha entrar em 2016 com os rácios dentro dos limites exigidos. Para o Banco Central Europeu (BCE), a via deve passar pelos obrigacionistas seniores, que são credores do banco.

http://www.publico.pt/economia/noticia/regulador-resolve-problema-do-novo-banco-a-custa-de-obrigacionistas-1718747

Regulador resolve problema do Novo Banco à custa de obrigacionistas

Banco de Portugal retirou do Novo Banco 1985 milhões de euros em obrigações sénior, emitidas pelo BES, que regressam à origem. Estratégia permite à instituição financeira melhorar o seu balanço.

Processo de venda do Novo Banco é relançado em Janeiro

O Novo Banco tinha uma insuficiência de capitais para resolver depressa, e o alvo foram os detentores de dívida sénior que o Banco de Portugal tinha protegido quando fez a intervenção no BES há cerca de um ano e meio. Através da medida comunicada esta terça-feira à noite, o regulador faz regressar ao BES, o banco “mau”, obrigações com um valor de balanço de 1985 milhões de euros (emitidas pelo banco antes da resolução de Agosto do ano passado).

Na recta final do ano, em apenas 10 dias, o Banco de Portugal (BdP) mobilizou recursos públicos e dos investidores no valor de 5800 milhões de euros para evitar a liquidação do Banif (3800 milhões) e salvar o Novo Banco (2000 milhões de euros).

Comentários:

 

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

Aposentado , Abrantes

É caso para nos interrogarmos «« mas afinal o que se passará na banca? »». Quem o sabe, fecha-se em copas, vá lá saber-se o porquê, por sua vez quem não o sabe, assobia para o lado, vá lá saber-se o porquê!. Se bem virmos quiçá sejamos obrigados a chegar a uma simples conclusão «« pura incompetência! »», de há muito, quer de responsáveis financeiros(incluindo aqui, banqueiros, supervisores e reguladores) quer de detentores políticos. Devemos- -nos lembrar da actuação da banca nos tempos do "facilitismo! v.g, dos finais do século/milénio passado", depois no não acautelar da transição e finalmente na sobranceria perante o acontecido nos finais da 1ª década. Em 2/11/2008 deu-se o primeiro embate, BPN, passámos pelos BCP-BPP-BES-BANIF, quiçá virá aí o Montepio e a CGD e tb o que fazer do NB?!!

 

ADENDA - JÁ ANDA POR AÍ MUITO "ZÉ POVINHO"A DIZER ««ARRE GAITA QUE É DEMAIS»».

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:02

a)  BANIF - ONDE É QUE JÁ VIMOS ISTO?

b) QUEM É QUEM NO BANIF?

c) BANIF INSOLVENTE?

d) DE NOVO AS RELAÇÕES ENTRE A FINANÇA E A POLÍTICA / PROMÍSCUAS E POUCO CLARAS?

e) RELEMBRAR A CAIXA ECONÓMICA DO FUNCHAL?

««« ABRIR, VER E MEDITAR »»»:

http://www. youtube. com/watch? v = OcxS1zYWJms

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:05


AINDA O " BANIF " !

por O Fiscal, em 25.12.15

http://www.publico.pt/economia/noticia/factura-do-banif-para-os-contribuintes-pode-chegar-a-3835-milhoes-1718149

Factura do Banif para os contribuintes pode chegar a 3825 milhões

Responsabilidades das autoridades nacionais terão de ser partilhadas. Bruxelas permitiu que Banif estivesse um ano em situação de incumprimento.

A transferência dos activos bons do Banif para a esfera do Santander foi condicionada a uma injecção de 2255 milhões de euros

Os contribuintes vão ser chamados a pagar, no mínimo, 2440 milhões de euros para “salvar” o Banif, um prejuízo que poderá agravar-se e, na pior das hipóteses, disparar para 3825 milhões de euros........

Comentários:

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

Aposentado , Abrantes

É verdade, trata-se de mais uma grande factura, só que, exigia-se, não como nos já diversos casos anteriores (BPN-BCP-BPP-BES) uma verdadeira "auditoria" independente/externa/não política para apuramento do que se revestiu tais situações. Seria bom perceber, não os de sempre ««« passa culpas! »»», mas, sim, quem se aproveitou e de que modo, daquilo que para todos nós portugueses isso representa, essencialmente para os mais desfavorecidos. Ah! e já agora, talvez fosse útil ser indagado o porquê/com que fins/a benefício de quê e ou quem, duma tal notícia da TVI, salvo erro, do penúltimo fim de semana, em que era posta em causa afinal de contas a "viabilidade!" do Banif(origem da fuga, em pouquíssimos dias, de mil milhões de euros desse banco), é que, se fosse feito "oh! que surpresas?".!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:20

NÃO... NÃO É POR SER NATAL, POIS NATAL PODE SER TODOS OS DIAS SE O HOMEM QUIZER... SÓ QUE PARA CASOS COMO O DE DAVID, O NATAL NÃO FOI NATAL:

http://www.publico.pt/sociedade/noticia/medicos-e-enfermeiros-dizem-que-caso-de-morte-no-s-jose-nao-e-o-unico-1718338                                     23/12/2015

morte.... no São José......

.........David Duarte, assim se chamava o jovem de 29 anos que morreu enquanto aguardava tratamento após a ruptura de um aneurisma cerebral....... não há escalas de prevenção de neurorradiologia de intervenção (nem de neurocirurgia vascular, a outra especialidade que pode tratar este tipo de situações) aos fins-de-semana, tanto no no São José....Terá sido por esse motivo que David acabou por morrer. Diagnosticada uma hemorragia cerebral provocada por um aneurisma, os médicos avisaram a família que apenas podia ser tratado depois do fim-de-semana por não haver equipa nem de neurorradiologistas nem de neurocirurgiões especializados (são poucos os neurocirugiões preparados para este tipo de intervenção de alto risco)....é preciso recuar até ao final de 2012 para se perceber toda esta história. Nessa altura, os responsáveis do serviço fizeram uma espécie de ultimato à administração do hospital, ameaçando que suspendiam as escalas ao fim-de-semana caso não fosse revisto o pagamento das horas extraordinárias, sobretudo dos enfermeiros e dos técnicos de raios X que integram estas equipas. “Pagavam-lhes três a quatro euros por hora, não dava para os transportes [quando há um caso urgente, têm 20 minutos para chegar ao hospital]”, explica.... em Janeiro de 2013 a equipa de neurorradiologia de intervenção deixou de fazer prevenção aos fins-de-semana, lembra. Em Abril de 2014, a neurocirurgia vascular fez o mesmo........

Comentários:

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

Aposentado , Abrantes

Deixem-mo-nos de tretas! o problema do que aconteceu há uns dias no Hospital de S. José está no que infelizmente vai sucedendo por este país fora, nunca há culpados ou melhor a culpa não podendo morrer solteira, há quem se encarregue de arranjar um " bode expiatório! ", neste caso, p. ex. Pedro Passos Coelho/Paulo Macedo e os cortes?. Pobre David, que teve o azar, de cair na malha da m... que teima em persistir neste pobre país, ou, será que não é mesmo assim?. A "quintinha!" dos barões da corporação hospitalar é quem manda. Quais escalas? ou nos pagam o que queremos ou não há "milho para pardais", apetecendo perguntar e se todos os profissionais que têm de trabalhar aos fins de semana fizessem o mesmo? E que dizer das "baboseiras!" que somos obrigados a aturar a José Manuel Silva/B.O.M.?

INACREDITÁVEL?....CLARO QUE SIM....

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:49


O QUÊ!.... MAIS UMA VEZ... " A BANCA " ?

por O Fiscal, em 22.12.15

MUITO NOS TEM SIDO ESCONDIDO DE HÁ UNS ANOS PARA CÁ À VOLTA DA " BANCA PROBLEMÁTICA ". CERTAMENTE QUE UM DIA (só não sei se ainda na minha geração) TODOS VIREMOS A CONHECER A VERDADEIRA HISTÓRIA. AÍ PELOS ANOS 2007-8 INICIOU-SE A " SAGA ", DE QUE TÃO DEPRESSA NÃO NOS IREMOS LIVRAR. COMEÇOU PELO BPN, PASSOU PELOS BCP - BPP, HÁ, 2 ANOS PELO BES E 3-4 DIAS PELO BANIF E PARECE-ME MESMO (pelos sinais já evidentes) A QUE SE SEGUIRÃO, NÃO A MUITO LONGO PRAZO, O MONTEPIO E QUIÇÁ A CGD. QUERIA AQUI DEIXAR UMAS PISTAS QUE ME TÊM DEIXADO PERPLEXO:

1 - POR QUE SERÁ QUE EM QUALQUER DAQUELAS SITUAÇÕES LOGO SE LEVANTARAM  ACUSAÇÕES POLÍTICAS MÚTUAS NUM DETERMINADO BLOCO PARTIDÁRIO?

2 - POR QUE SERÁ QUE NAQUELES GRUPOS FINANCEIROS ESTIVERAM, ESTÃO E QUIÇÁ ESTARÃO SEMPRE, COLOCADOS EM TOPO "BOY´s" DAQUELE MESMO BLOCO?

3 - POR QUE SERÁ QUE SEMPRE QUE NOS VOLTÁMOS PARA AQUELES  " DETENTORES PODEROSOS " NAQUELES MEIOS BANCÁRIO/FINANCEIROS, DEPARÁMOS COM SUAS FORTES LIGAÇÕES A CERTOS " BARÕES " DAQUELE MESMO BLOCO?

4 - POR QUE SERÁ QUE, MAIS DIA MENOS DIA, VIEMOS A SABER, QUE QUER AQUELES BANQUEIROS! QUER CERTOS DAQUELES POLÍTICOS! TÊM MILHÕES/+PATRIMÓNIO?

5 - POR QUE SERÁ QUE NESTE ORA CASO DO " BANIF " O EX-GOVERNO DA PáF (vg. Pedro Passos Coelho- Paulo Portas - Maria Luis Albuquerque) AINDA NÃO VEIO COM EXPLICAÇÕES,ELAS MESMO CONVINCENTES (tanto mais que hoje PPC disse aos jornalistas que tomaria a mesma decisão que o governo/Costa acabou de tomar, pelo que, sendo assim, porque não a tomou em devido tempo)?

6 - O QUE ESTARIA POR DETRÁS DUMA TAL NOTÍCIA DA TVI (de à volta de 10 dias/agora tão badalada) SOBRE DEBILIDADE/FATALIDADE NO BANIF(que ocasionou de imediato uma avalanche de corrida aos depósitos/falando-se hoje numa fuga de 1 mil milhões?)? E SEUS REFLEXOS NA DECISÃO COSTISTA?

7 - POR QUE SERÁ QUE ALGUNS DAQUELES CASOS, COMEÇARAM POR SER DE ÂMBITO JUDICIAL LOGO PASSADOS AO POLÍTICO, E OUTROS DE POLÍTICO A JUDICIAL?

8 - POR FIM E AFINAL POR QUE TÊM, ESTÃO E ESTARÃO, OS PORTUGUESES CONDENADOS A TAL ««« PORCA MISÉRIA! »»»?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:11

JÁ MUITO ME PRONUNCIEI NESTE MEU BLOG SOBRE ESTA " TEMÁTICA ". A PROMESSA DE BARACK OBAMA, FEITA, LEMBREMO-NOS, NA CAMPANHA ELEITORAL DA SUA PRIMEIRA ELEIÇÃO PARA A PRESIDÊNCIA DOS USA E REAFIRMADA NO SEU SEGUNDO MANDATO, PRESTES A CHEGAR AO FIM, PARECE NÃO TER PASSADO AFINAL DE UMA MERA PROMESSA. BO POR ESTE FACTO E POR ALGUNS OUTROS, MOSTROU-SE-ME UMA «« DESILUSÃO! »», COMO BEM E DE MODO MUITO SIMPLES FICOU AQUI ENUNCIADO:

BLOG - https://www.google.pt/#q=blog+blasf%C3%A9mias / http://blasfemias.net/

Deixe lá, quando for presidente dos EUA vai fechá-la na hora

18 Dezembro, 2015
 

Barack Obama reafirma vontade de encerrar prisão de Guantanamo

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:08

http://www.publico.pt/politica/noticia/o-economista-discreto-que-bateu-o-pe-a-socrates-e-tem-o-futuro-da-tap-em-cima-da-mesa-1717974

O economista discreto que bateu o pé a Sócrates e tem o futuro da TAP em cima da mesa

Foi secretário de Estado antes dos 30 e é ministro com menos de 40 anos. António Costa confiou-lhe uma das pastas mais importantes do novo Governo.

Pedro marques (ao centro de mão na boca)

Pedro Marques, 39 anos, tomou posse há menos de um mês. Inaugurou um ministério inédito – Planeamento e Infra-estruturas –, e tem em mãos uma das mais complexas negociações do momento. Uma daquelas que ditam a sorte de um Governo. António Costa prometeu, na sexta-feira, que o "Estado retomará 51% do capital da TAP". Na véspera, Pedro Marques recebeu os accionistas que controlam a maioria do capital da transportadora aérea e ouviu-os garantir que não abdicam da sua posição.

A sua lista de tarefas não é pequena. Terá de planear o próximo ciclo de fundos comunitários, além, é claro, de executar o actual. Para se ter uma ideia, esta também é uma área vital para o Governo. Os fundos são o único instrumento de política económica ao dispor de um Governo pressionado e com um orçamento sob vigilância. Por isso, António Costa criou esta pasta e entregou-a a Pedro Marques. "É o melhor nome possível", garante Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, que se tornou amigo do actual ministro na altura em que ambos se destacavam no Ministério do Trabalho, como secretários de Estado de Vieira da Silva.

Pedro Marques garante ao PÚBLICO que está consciente da importância da tarefa. E que planeia cumpri-la "dando o menor número de pretextos possível para que haja polémica e crispação". Uma das suas prioridades é "executar" o máximo "com o mínimo de polémica partidária", garante. E dá como exemplo o "plano estratégico de transportes e infra-estruturas", que pretende aproveitar do anterior Governo, em vez de "redesenhar" um à sua medida.

Esta é a faceta "conciliatória" e "moderada" que o seu colega de Governo, Ricardo Mourinho Félix lhe reconhece, já desde os tempos de faculdade.

José Sócrates, António José Seguro e António Costa podem ter pouco em comum. Mas todos repararam no jovem economista, de olhos azuis, ar sério e gosto por fatos escuros, que domina alguns dos temas mais importantes do debate político nos últimos dez anos: Segurança social, orçamento, fundos comunitários, demografia.

Essa capacidade de dar nas vistas, sendo discreto, é responsável pelo seu percurso rápido, e pouco habitual. Ainda estudava Economia no ISEG, quando recebeu o primeiro convite de um Governo. Acabou a licenciatura, em 1998, e concluiu o mestrado em Economia Internacional quando Ricardo Mourinho Félix, seu colega de faculdade (actual secretário de Estado Adjunto, do Tesouro e das Finanças) o sugeriu a Vieira da Silva,  secretário de Estado da Segurança Social do último Governo de António Guterres.

Em rigor, este não foi o primeiro emprego de Pedro Manuel Dias de Jesus Marques, que nasceu em Lisboa em 1976. O seu primeiro trabalho é uma espécie de prenúncio do lugar que agora ocupa, como ministro do Planeamento e Infraestruturas do XXI Governo Constitucional. Começou por dar, "a convite de um professor" do ISEG, adianta ao PÚBLICO, "consultoria de apoio à gestão de fundos comunitários", num projecto de renovação urbana do antigo Plano Especial de Realojamento. Estávamos em 1997. Viviam-se anos de expansão económica. O segundo Quadro Comunitário de Apoio, antecessor do QREN que agora tem a seu cargo, disponibilizava verbas para bairros sociais. Esteve lá dois anos, entre o fim da licenciatura e o início do mestrado.

O seu orientador de tese, António Mendonça, viria a ser ministro. E vários dos seus colegas no ISEG destacavam-se na Juventude Socialista (JS): Jamila Madeira, sua contemporânea, e Pedro Nuno Santos, um ano mais novo, foram líderes entre 2000 e 2008.

Politicamente, o jovem economista começa a sobressair no Montijo, onde cresceu e ainda vive com a sua mulher, colega do ISEG, e três filhas. É no Montijo que, em 1997, o PS reconquista ao PCP a câmara. E é por essa via que Ricardo Mourinho, já com responsabilidades na JS distrital de Setúbal, se apercebe do seu interesse pela política e se lembra de o indicar como hipótese para assessor de Vieira da Silva.

Foi contratado para prestar apoio macro-económico. Mas fez muito mais do que isso. Tornou-se indispensável.

Na altura contava apenas com uma curta experiência profissional no sector privado, como consultor da CISED, durante pouco mais de um ano.

Continuou envolvido na política local e ganhou a eleição que haveria de derrubar o seu Governo. Em 2001, depois dos maus resultados do PS nas autárquicas, Guterres demitiu-se e o PSD de Durão Barroso venceu as legislativas. Pedro Marques assumiu o seu mandato de vereador na câmara do Montijo, com os pelouros da Ação Social e Saúde, Habitação Social, Juventude, Planeamento e Desenvolvimento Económico.

Em 2005, com o regresso do PS ao Governo, Vieira da Silva passa a ministro. E convida-o para a secretaria de Estado da Segurança Social. Tem 29 anos. Ao seu lado, no Emprego e Formação Profissional está Fernando Medina, apenas três anos mais velho.

Com o segundo maior orçamento de todo o Governo para gerir - as verbas da Segurança Social são autónomas do Orçamento do Estado - Pedro Marques consegue duas coisas que hão-de ser determinantes quando a maré muda, no segundo Governo de Sócrates.

A primeira é a alteração das regras da Segurança Social - com a introdução do "factor de sustentabilidade" ligado à esperança de vida - acordadas na Concertação Social. Logo em 2006, o jovem governante fica ligado àquele que porventura o legado mais visível dos mandatos de Sócrates. Isso, lembra o seu companheiro de Governo e amigo Fernando Medina, permitiu-lhe ganhar "um peso político muito forte no Governo".

A segunda é o traquejo. Quando o Governo fica em minoria no Parlamento, e a crise internacional se começa a fazer sentir nas contas públicas portuguesas, é por ele que passam boa parte dos embates políticos.

O mais difícil terá sido, talvez, o que o opôs às Finanças, na altura dirigidas por Texeira dos Santos, sobre os cortes em duas prestações sociais emblemáticas: O Rendimento Social de Inserção e o Complemento Solidário para Idosos.

O balanço final é difícil de fazer, mas Pedro Marques foi, muitas vezes, o principal obstáculo, dentro do Executivo, à vontade de cortar ainda mais nas prestações sociais na era dos PEC.

Sócrates ouvia-o. Muitas vezes discordaram. Eram ambos "teimosos". Nesse "período muito violento", lembra um ex-governante, Pedro Marques era dos que mais vezes "batiam o pé a Sócrates".

Terá sido então, também, que começou a ganhar forma a ideia de fazer um doutoramento sobre o Estado Social. Não só em Portugal, mas em toda a Europa, lembra Pedro Marques, começou a encarar-se o Estado Social "não como um activo, mas como um problema".

Antes de começar o doutormamento veio a troika. E com ela, mais cortes. O PS mudou de líder. Pedro Marques (como Vieira da Silva e Fernando Medina) não apoiou nenhum dos candidatos. Nem Seguro, que ganhou, nem Assis. Ficaram num limbo. Havia quem apontasse os dois jovens ex-governantes como hipóteses para ajudar à "pacificação" do partido, naquela época de corte com o passado. Os seus nomes foram sugeridos para lugares importantes. António José Seguro chamou-os para a batalha parlamentar, como vice-presidentes do grupo parlamentar. Pedro Marques ficou como porta-voz do partido para os assuntos orçamentais. Ali, bateu-se de novo pelas mesmas "convicções": Os cortes no Estado Social são apenas uma forma ideológica de substituir aumentos de impostos", criticou, na altura.

Medina, que costuma jogar ténis com Pedro Marques, lembra que o ministro "não gosta de perder nem a feijões – nem um debate, nem um ponto de ténis". E que uma das razões para ser "extraordinariamente eficaz" é a forma como se prepara para tudo. Dos debates parlamentares, às reuniões.

O projecto do doutoramento, entretanto, "foi adiado". Os últimos anos passaram a correr. A família cresceu. Com o nascimento das gémeas, Pedro Marques é agora pai de três meninas. Talvez por isso, aquilo a que chama "um compromisso com a vida pessoal", tentou deixar a política e retomar uma carreira de consultor económico.

Mas só o fez depois de garantir que deixava o partido com António Costa na liderança. 

Renunciou ao mandato de deputado em Outubro, logo após as primárias socialistas. O seu nome voltava a ser falado para outros voos. Líder parlamentar, por exemplo. Não esperou para ver.

Mas a experiência numa empresa privada voltou a ser fugaz. Entrou na Comissão Executiva da Capgemini em Outubro de 2014. Saiu em Novembro de 2015 para o Governo. "Não estava nos meus planos", diz, a rir.

Comentários:

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

Aposentado , Abrantes

Bravo sr. Paulo Pena, isto é o que se chama "um verdadeiro média elogio".Pois saiba, que, a mim, não me interessa nada, se é "frete! ou pura convicção desinteressada!"..sabe porquê?..é que, eu acuso "com todas as letras"o sr. Pedro Marques de «« incompetente »». Nos tempos em que Pedro Marques, o tal jovem de 29 anos, assumiu em 2005, no MSS sob o comando do sr. Vieira da Silva do então primeiro governo Sócrates/PS o cargo de Secretário de Estado da Segurança Social, a minha pessoa interveio num litígio mutualista que envolvia a tutela "Segurança Social". Nessa altura o MSS teve de intervir. Por delegação de Vieira da Silva a Pedro Marques, foi este que "interveio",só que, a sua intervenção revestiu-se de tal "negatividade!", que me levou a dispensá-la por incompetência(em escrito).. !!!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:26

HOJE TRAGO AQUI A ESTA " TEMÁTICA ", MAIS UM PERSONAGEM DIGNO DE REALCE...O sr. RUI RIO. NOS ÚLTIMOS TEMPOS TEM SIDO UM VERDADEIRO ««« AGARREM-ME PORQUE SENÃO EU AVANÇO »»». SE BEM ME LEMBRO, LÁ ATRÁS, FAZIA NOTAR QUE " SE HOUVESSE UMA CERTA CHAMADA! ESTAVA DISPONÍVEL PARA A LIDERANÇA DO PSD "... E NADA... HÁ UNS MESES LANÇAVA PARA O AR " QUIÇÁ ME CANDIDATE À PR "... E NADA... HÁ UNS DIAS:

http://www.dn.pt/portugal/interior/rui-rio-marca-terreno-para-suceder-a-passos-coelho-4931821.html

Rui Rio marca terreno para suceder a Passos Coelho

Ex-autarca do Porto diz que será "difícil" ao atual líder vencer as próximas eleições. Falta a "novidade" e a "esperança"

Rui Rio marcou ontem terreno para suceder a Passos no PSD, embora não esteja nos planos do ex-autarca desafiar o líder do partido a curto prazo. Numa Quadratura do Círculo especial, no âmbito dos 15 anos da Sic Notícias, no Porto, Rio disse ontem que "é evidente que Passos Coelho vai ter dificuldades em ganhar a próxima eleição. Se for ele o líder do PSD, vai ter uma dificuldade muito maior do que teve há 4 ou 5 anos, porque era uma novidade"....."Quando alguém vai para eleições já tendo estado no poder, não consegue com facilidade a janela de esperança", defendeu o ex-autarca.....Para Rio "é evidente que é mais fácil um entendimento do que se forem essas duas pessoas [Passos e Costa]. Ou pelo menos um dos dois. Porque se guerrearam e foram adversários".....

----------------------------------------------- PORQUE NÃO DIZER AO sr. RUI RIO... ««« OH! HOMEM...DE UMA VEZ POR TODAS, TENHA A SUBLIME CORAGEM DE SE APRESENTAR, COMO CANDIDATO, À LIDERANÇA DO PSD EM MARÇO/ABRIL 2016 »»».....

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:18

Pág. 1/3



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Dezembro 2015

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D