Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



ESTE MEU TÍTULO NÃO TEM A VER COM O SAUDOSO "ALVES DOS REIS"(aquele que muitos de nós recordarão/vg os apreciadores do futebol), MAS, COM O DA ACTUALIDADE(este por sua vez especialista em praticamente todas as áreas), O PROFESSOR MARCELO REBELO DE SOUSA. ACABEI DE ASSISTIR A MAIS UM DOS SEUS ESPAÇOS DE OPINIÃO NA TVI/JORNAL DAS 20H(coisa que sempre que posso faço com gosto por ele próprio mas também pelos seus habituais interlocutores/quais alunos embevecidos!/ José Alberto Carvalho ou Judite de Sousa). NESTE FINAL DE DOMINGO ASSINALEI DOIS FACTOS(para mim destacáveis):

1 - A CERTA ALTURA ABORDANDO O "CASO CAMARATE"(ex-vi) DA ULTIMAÇÃO DA ÚLTIMA - X(salvo erro) COMISSÃO PARLAMENTAR DE INQUÉRITO, FRISOU QUE ATENDENDO AO SEU DIRECTO CONHECIMENTO/ACOMPANHAMENTO, HOJE, AO CONTRÁRIO DO INICIALMENTE, A SUA CONVICÇÃO PARA O ACONTECIDO AO PRINCÍPIO DA NOITE DAQUELE FATÍDICO DIA 4 DE DEZEMBRO DE 1980, ERA A DE QUE SE TRATOU DE UM «« ATENTADO / NÃO ACIDENTE »»(dando uma explicação...). ORA O SR. MRS(pessoa sensivelmente da minha idade) NAQUELE PERÍODO(recorde-se que estavamos em plena campanha eleitoral para a PR, em que se enfrentavam a CNARP/RAMALHO EANES versus AD/SOARES CARNEIRO) ESTAVA LIGADO A SÁ CARNEIRO/AD/SC(eu estava na CNARP). POR MIM NUNCA PASSOU QUALQUER DÚVIDA(como aliás no próprio  momento me pareceu, admiti sempre e já o tenho escrito neste meu blog), SÓ QUE AQUI NÃO COMPREENDO(ou será que entendo?) ESTE AGORA DESABAFO! DE MRS....

2 - O OUTRO MOMENTO DEU-SE AO SER REFERIDA A TEMÁTICA Á VOLTA DE " SONDAGENS(legislativas e presidenciais) E ENTREVISTAS TELEVISIVAS DE AC / PPC ". É QUE POR UM LADO NOTOU-SE UM CERTO INCÓMODO!(da parte de MRS e também do seu interlocutorJAC) NA ABORDAGEM(se se reparar até nos números da Aximage não tiveram o cuidado de ser cuidadosos). CLARO QUE, PARA OS MAIS ATENTOS, A PREVISÍVEL TENDÊNCIA QUER DO PROFESSOR QUER DOS SEUS INTERLOCUTORES(aqui na tvi mas não só), NÃO SE COADUNA(desde há muito com interesses já não tão obscuros) COM O QUE VEM VINDO PARA CIMA DA MESA, MAS, PENSO,IMPUNHA-SE-LHES QUE PELO MENOS FOSSEM CAPAZES DE O DISSIMULAR UM POUCO( ou será que não se percebeu já quem eles preferem/e têm feito mais que força/ para futuros ocupantes de São Bento e Belém / vá lá muita gente ainda perceber o porquê,coisa de que também há muito não tenho qualquer espécie de dúvida)...  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:46

VÊ-SE E CUSTA A ACREDITAR QUE, EM PLENO SÉCULO XXI, TAL ESTEJA A OCORRER. OLHE-SE, POR EXEMPLO, PARA ESTES TRÊS PORMENORES:

1 - UM PAÍS DA UE (Hungria) VAI ERIGIR NUMA SUA ÁREA(fronteiriça?), DE UMA PONTA A OUTRA, UM "MURÃO!", QUE IMPEÇA A ENTRADA DE(certos intrusos?);

2 - UM PAÍS AFRICANO, PERCUSSOR DA CHAMADA " PRIMAVERA ÁRABE! "(Tunísia?), ESTÁ A PENSAR ERIGIR UM "MURÃO!", QUE IMPEÇA A ENTRADA DE (certos intrusos?);

3 - O PAPA FRANCISCO ACABOU DE LANÇAR AO MUNDO UM REPTO INTERROGATIVO(qualquer coisa como)««UM SER HUMANO MORREU DE FRIO/FOME....AS TAXAS DE JURO DE DÍVIDA/RATING´s, PARA ALI E PARA ACOLÁ...EH! COMO É QUE OS MÉDIA´s TRATAM TAIS TEMAS?»»......

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:39


RIBATEJO E A DISCUSÃO DO MOMENTO!

por O Fiscal, em 03.07.15

http://semanal.omirante.pt/........ Edição de 2015-06-25

Autarcas do Médio Tejo já se mobilizaram contra a eventual criação do Grupo Hospitalar do Ribatejo
Ex-administradores a favor da junção dos hospitais do distrito de Santarém
O Governo tem em estudo a possibilidade de colocar os quatro hospitais públicos sob a mesma administração, um projecto que divide opiniões e que já faz correr muita tinta.

A guerra de capelinhas começou a fazer-se sentir assim que o projecto de criação do Grupo Hospitalar do Ribatejo voltou a ser falado. O Governo estuda a possibilidade de agregar os quatro hospitais do distrito de Santarém sob a mesma administração e esse cenário é bem visto por antigos dirigentes hospitalares. Visão diferente têm os autarcas do Médio Tejo, região onde a articulação entre os hospitais de Abrantes, Tomar e Torres Novas tem sido um problema recorrente de gestão e complementaridade de serviços. Os presidentes de câmara da Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo já se pronunciaram contra esse projecto por unanimidade.

A presidente da Câmara de Tomar, Anabela Freitas (PS), é uma das faces mais visíveis das movimentações contra o Grupo Hospitalar do Ribatejo - que juntaria o Hospital de Santarém aos três do Médio Tejo - ao questionar por que é que “querem impingir Santarém”, quando a população de Tomar está mais ligada a Coimbra em termos de cuidados de saúde (ver notícia nesta página).

A visão dos autarcas é contrariada por quem trabalhou décadas em cargos dirigentes nos hospitais do distrito. O ex-administrador do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT), Joaquim Esperancinha, e o ex-director clínico do Hospital de Santarém, José Marouço, são a favor da mudança, considerando que um grupo hospitalar vai trazer ganhos na assistência às populações e optimização de meios técnicos e profissionais.

A economia de escala que se conseguirá com a agregação dos hospitais é uma das mais-valias apontadas por José Marouço através, por exemplo, da possibilidade de criação de uma central de compras única que representa poupanças na aquisição de materiais. A optimização dos serviços é apontada por Joaquim Esperancinha, que realça ainda a complementaridade dos hospitais. Para o ex-administrador do CHMT, o Hospital de Santarém está sobrelotado em termos de camas nos internamentos e pode beneficiar do facto de haver capacidade de acolher doentes nas unidades do Médio Tejo. “É uma boa solução e já a tinha defendido”, salienta Esperancinha.

José Marouço, que diz “ver com alguns bons olhos esta possibilidade”, chama a atenção para as dificuldades que o país atravessa e para a perspectiva que tem de que o país tão cedo não terá abundância de meios. A agregação dos quatro hospitais levaria a que a população coberta pelo Grupo Hospitalar do Ribatejo rondasse o meio milhão de habitantes, o que representaria também a possibilidade de criação de novas especialidades na região, hoje só acessíveis em Lisboa ou Coimbra.

Para José Marouço, é “provável” que esta ideia “traga melhorias na saúde na região e dê respostas mais cabais às legítimas aspirações da população do distrito”. O ex-director clínico do Hospital de Santarém defende no entanto que a intenção, a avançar, deve ter como condição, “para ser bem aceite pela totalidade do distrito”, a definição de um “cabaz” mínimo de competências para o Hospital de Santarém e para o Centro Hospitalar do Médio Tejo.

 

Ex-secretário de Estado socialista defende outro modelo

O ex-Secretário de Estado dos Recursos Humanos e Modernização da Saúde (2000-2001), Nelson Baltazar, defende a criação de duas unidades locais de saúde (ULS), uma para o norte e outra para o sul do distrito. Baltazar, que foi governador civil de Santarém e passou pela administração do Centro Hospitalar do Médio Tejo, considera que criar o Grupo Hospitalar do Ribatejo “é afastar a gestão das populações”, o que em seu entender “é um erro”. E realça que tanto o Hospital Distrital de Santarém como o Centro Hospitalar do Médio Tejo têm a dimensão certa para funcionarem enquanto entidades autónomas.

Em declarações a O MIRANTE, Nelson Baltazar manifestou-se contra a centralização nos hospitais das questões da saúde e considera que um possível grupo hospitalar vai pôr a saúde “mais longe dos utilizadores”. Por isso, defende, “ficaríamos melhor se tivéssemos duas ULS”, referindo as que existem em Matosinhos, Castelo Branco e Portalegre, que classifica como casos de sucesso. As Unidades Locais de Saúde abrangem numa determinada zona os hospitais, centros de saúde e unidades de cuidados continuados numa gestão integrada. O que para Nelson Baltazar tem a vantagem de acompanhar a pessoa desde o nascimento à velhice.

A PERGUNTA QUE AQUI SE IMPÕE:

MAS ESTA DISCUSSÃO TEM SENTIDO?.... NA MINHA SIMPLES OPINIÃO"NÃO" O QUE ESTÁ AQUI EM CAUSA É ÚNICA E SIMPLESMENTE O " EMPURRAR COM A BARRIGA! " UM PROBLEMA CRIADO PELO CENTRÃO POLÍTICO HÁ MAIS DE 20 ANOS AQUI NO RIBATEJO(mas com vários outros idênticos espalhados pelo país) QUE HÁ MUITO CARECE DE UMA DISCUSÃO SERENA E SÉRIA...i.e. ... O PAÍS TINHA,TEVE, TEM, TERÁ, CONDIÇÕES ECONÓMICO/FINANCEIRAS PARA DISPOR DE 3(três) " MEGA HOSPITAIS! " NUM RAIO DE 25 a 30 km?...É ISSO QUE ESTÁ NESTE CASO EM CAUSA. NOS ANOS OITENTA, HAVENDO JÁ O HOSPITAL DISTRITAL DE SANTARÉM, ENTENDEU-SE QUE FACE Á DIMENSÃO DO DISTRITO SE JUSTIFICAVA MAIS UM A NORTE, NASCEU ENTÃO O HOSPITAL DISTRITAL DE ABRANTES, SÓ QUE O "LOBBY!" POLÍTICO "TORRES NOVAS / TOMAR", DESDE LOGO PRESSIONOU..PRESSIONOU..«« SE ABRANTES TEM NÓS TAMBÉM TÊMOS DE TER »» E VAI DAÍ O PODER GOVERNAMENTAL(rosa/laranja, com realce para uma tal senhora Maria de Belém Roseira) EIVADO PELO INTERESSE DO AGRADO POLITIQUEIRO E DISPONDO DO BOOM DOS FUNDOS EUROPEUS RESPONDEU «« então  muito bem criamos o de Torres Novas e logo algum tempo depois abrimos mais um em Tomar) »». O PAÍS TINHA PASSADO DE POBRE A RICO, DAVA-SE AO LUXO DE ENVEREDAR POR DECISÕES MEGALÓMANAS DESCURANDO UMA NECESSÁRIA/PRUDENTE CAUTELA PARA UM FUTURO MENOS RISONHO. O FUTURO VEIO HÁ UNS ANOS E O QUE SE TEM VISTO É MERAS TENTATIVAS DO TIPO " TAPAR O SOL COM A PENEIRA!", COMO(p.ex.), O BAILINHO DAS VALÊNCIAS / /DOENTES, AGORA ESTA POSSÍVEL PROPOSTA, SÓ QUE, O PAÍS HÁ MENOS DE UMA MEIA DÚZIA DE ANOS PASSOU DE RICO A POBRE E DA PARTE DOS RESPONSÁVEIS NÃO SE VÊ A CORAGEM POLÍTICA DE ENFRENTAR A SERIEDADE DO PROBLEMA, DONDE, ME PARECE EXPECTÁVEL,ESTÁ-NOS RESERVADO NÃO UMA SOLUÇÃO MAS UM SEU AGRAVAMENTO....

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:19

Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Julho 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D