Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O MEU....TOTAL " REPÚDIO "!

por O Fiscal, em 22.11.14

http://www.publico.pt/politica/noticia/catarina-martins-be-diz-que-investigacao-sobre-socrates-cabe-a-justica-1677112

 

"Aleluia", exulta deputado do PSD

Deputada do BE Mariana Mortágua considera que detenção de Sóctrates mostra a podridão do regime.

Duarte Marques congratulou-se com a detenção de Sócrates

As lideranças do PSD e BE recusaram neste sábado comentar a detenção do ex-primeiro-ministro José Sócrates, afirmando que essa é uma investigação que cabe às autoridades judiciárias.

As reacções nos restantes partidos políticos à detenção de José Sócrates variaram entre a cautela e a exultação. Um conjunto de dirigentes políticos congratulou-se com a prisão do anterior primeiro-ministro. Exemplo disso foi a deputada do BE Mariana Mortágua, que resumiu o seu entendimento numa frase.  “É o regime, está a cair de podre. E já vem tarde”, escreveu no Facebook.

O deputado do PSD Duarte Marques reagiu da mesma forma. “Aleluia! A malta de Mação não perdoa”, comentou naquela rede social, numa referência ao facto de o juiz Carlos Alexandre ser natural daquela localidade. Mais tarde, Duarte Marques haveria de colocar uma notícia com três anos em que o próprio apelava à PGR para investigar Sócrates. “14.Outubro de 2011. Já lá vão três anos”, titulou.

Contactado pelo PÚBLICO, Duarte Marques lembrou que, quando Sócrates ainda era primeiro-ministro, defendeu o julgamento do então chefe do Governo “pela ruína em que deixou o país, por actos políticos danosos, por decisões que tomou e que enfraqueceram o Estado ou que foram ruinosas havendo consciência prévia disso”.

“Não pedi por estas razões [as que Sócrates está a ser investigado], que a serem provadas, poderão ser a confirmação dos actos danosos em que insistiu. Deixemos a justiça trabalhar em paz”, acrescentou.  

Ainda assim, outros dirigentes partidários assumiram uma posição mais cautelosa. Como Carlos Carreiras, vice-presidente do PSD: “Nem sei o que dizer. Não tenho narrativa.” Mas horas mais tarde tentava associar o nome de Sócrates ao processo de eleições internas do PS: “Será que o militante José Sócrates sairá a tempo de ir votar?”

O também "vice" de Passos Coelho Marco António Costa escusou-se a comentar: “O PSD não faz comentários sobre matérias de justiça. Isto não se trata de um tema político, portanto não merece nenhum comentário político do PSD.”

O líder do PCP falou também no espaço a dar à Justiça: “Em função da pessoa que é não alteramos a nossa posição de princípio, que é a de que deve haver o apuramento de toda a verdade, o funcionamento da investigação e da Justiça e não apressar julgamentos ou condenações. Consideramos que ninguém está cima da Lei, e é nesse sentido a exigência do apuramento”, declarou.

O CDS fez o mesmo. "O CDS mantém a sua doutrina de sempre: respeitamos a separação de poderes, consideramos que à justiça compete o trabalho da justiça e à política compete o trabalho da política", afirmou o vice-presidente do CDS-PP, Nuno Magalhães.


A posição da actual liderança do BE segiu o mesmo caminho. "À política o que é da política, à justiça o que é da justiça", declarou à Lusa a coordenadora do Bloco de Esquerda, à entrada para a 9.ª convenção do Bloco de Esquerda, em Lisboa. 

O ex-coordenador bloquista Francisco Louçã também recusou fazer juízos "precipitados" sobre a detenção do ex-primeiro-ministro, defendendo que o sistema judiciário precisa de mais meios para combater a corrupção ou o branqueamento de capitais.

"Fiquei certamente surpreendido mas não tenho nenhum elemento que me permita neste momento formular uma opinião, é certamente um caso muito grave, sobre o seu fundamento não faço a mínima ideia, terá certamente uma grande influência no país, porque há hoje um estado de incerteza de atitude normal nestas circunstâncias", afirmou Louçã.

Comentários:

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

Aposentado , Abrantes

Pensei se deveria comentar, mas não resisto ««Apesar de ser um crítico feroz do sr.JS, que se intensificou de out/10 a finais de mar/11,"ex-vi" da então sua acção como PM (é que não lhe perdoo o facto de ter sido a sua actuação a principal causa remota do actual corte da minha pensão líquida em cerca de 400 euros), tal não me impede de reconhecer que, por estarmos num Estado de Direito Democrático, o sr. JS neste momento não está acusado seja do que for, poderá simplesmente estar indiciado de algo que desconhecemos, pelo que, manda a prudência, que sejamos cautelosos na apreciação do que judicialmente nesta hora se está a passar, donde ter de condenar veementemente o aqui transcrito como declarações de Mariana Mortágua e Duarte Marques(também sou de Mação e não me revejo nos modos de DM»»!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:34


3 comentários

De João Carlos Reis a 01.12.2014 às 02:47

Prezado João,
eu só tenho a acrescentar ao que escreveu o seguinte:
O que infelizmente a realidade (e é com grande pesar e tristeza que o escrevo, pois gostaria de escrever o oposto do que vou escrever) nos tem demonstrado no pós-25 de Abril é que a grande maioria dos políticos (e em particular aqueles que nos têm (des)governado), até prova em contrário, é culpada. Bem... mas dirão os "velhos do Restelo": "Nã, não... todos são inocentes até prova em contrário..."... Pois... mas vamos à, infelizmente, bem triste realidade dos factos que provam o que eu afirmei na minha primeira frase (e isto só para falar nas provas que mais dão nas vistas, tanto a nível interno como internacional, pois muitas outras poderia dar): 40 anos de Democracia, 3 auxílios financeiros externos. E só não os houve na última década do milénio passado nem na primeira deste milénio por causa dos milhões que vieram para Portugal da antiga C.E.E.. Também afirmo, com muita consternação minha, que, se os nossos políticos continuarem a não ter carácter, a não serem idóneos e afins, bem podem ter a certeza absoluta que na próxima década também iremos precisar de outro auxílio financeiro externo. Vão-se preparando, compatriotas...
Se estas investigações que agora estão a fazer ao Sócrates (e desengane-se quem pensa que foi ele que originou a crise, pois ele apenas agravou aquilo que já vinha de trás, mais propriamente de todos os governos desde 1975) tivessem sido feitas logo no primeiro governo do Mário Soares, de certeza absoluta que que todos os nossos governantes desde então poderiam continuar a não ter vergonha, mas pelo menos teriam medo antes de se deixarem corromper (e afins) e de tomar decisões desastrosas para o país e para os meus compatriotas e poderíamos, se também fossem competentes, viver num dos países com melhor nível de vida do mundo.
Eu bem que gostaria de deixar aqui um elogio aos nossos governantes e políticos, sinal que estaríamos bem melhor do que agora estamos, mas infelizmente (e sem orgulho nenhum) sou obrigado a constatar o facto de que todos eles, uns mais, outros menos, contribuíram, juntamente com o auxílio da maioria dos nossos empresários, administradores e afins, de forma significativa para “o estado a que isto chegou”...

De O Fiscal a 03.12.2014 às 22:23

Caro João Carlos Reis...não iria tão longe como você...claro que houve erros políticos desde o 25 de Abril, mas, o nosso problema actual, na minha opinião, tem uma causa política remota...ie...aí por volta do outono de 2001, tínhamos um PM de seu nome António Guterres que, ao aperceber-se da sua responsabilidade no recrutamento de uns tais jovens socialistas(?) trazidos para o PS, aproveitando o resultado de umas eleições autárquicas, resolveu ali "fugir"dizendo ao país que essa sua ideia tinha por base"um tal pântano!"...Pois é, o pântano era " uma tralha "que nos legou, quiçá, sufragada em anos posteriores por outros " actores " de outro(s) campo(s) idiológico(s)...esta minha convicção, tenho-a desenvolvido de diversas formas no meu blog "Portugalamordacado"...aqui só lhe recomendaria que analisasse os dados ao mais diverso nível do estado do país na transicção séculos XX - XXI para o que se seguiu(por ex. no Pordata)...mas...tenho que ser coerente comigo próprio.... ...nos culpados por aquilo a que chegámos,de certa forma, retiro o actual PM Pedro Passos Coelho, já que mais não seja, pela simples razão de que até 5 de Junho 2011 " certos alguéns! " se encarregaram de lhe vedarem o acesso a cargos de topo...

De João Carlos Reis a 05.12.2014 às 01:57

Prezado João,
eu compararei a nossa situação a uma minúscula bola de neve no topo duma montanha e que começou a rolar em 1975... e que não vai parar enquanto, começando pela "arraia miúda" e terminando no Presidente da República, não houver uma mudança de mentalidades que nos torne a todos mais idóneos e afins e, consequentemente, produza governos verdadeiramente empenhados no crescimento económico para verdadeiramente pagarmos a dívida e melhoria das condições de vida de todos os nossos concidadãos... tal e qual se passa nos países cujo nível de vida almejamos...

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Novembro 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D