Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



https://www.publico.pt/2016/12/07/politica/noticia/marcelo-condena-luta-partidaria-sobre-banca-e-nao-comenta-eventual-re

Marcelo condena luta partidária sobre banca e não comenta eventual recurso ao TC

Consolidação financeira deve ser "um ponto de regime", defendeu o Presidente da República.

7 de Dezembro de 2016

Disse Marcelo... Ao Governo e à oposição que não façam da banca "terreno de luta partidária" e recusou comentar o eventual recurso do PSD ao Tribunal Constitucional (TC).

Dirigindo-se a "todos aqueles que são protagonistas políticos hoje, relevantes, de Governo e de oposição", o chefe de Estado defendeu que a consolidação financeira deve ser "um ponto de regime" e que "não há prazer táctico que justifique o preço estratégico do desgaste no quadro do sistema financeiro".

No final desta sessão, questionado se tinha deixado recados ao PSD, que admitiu pedir ao TC a apreciação da constitucionalidade do decreto que retirou os administradores da Caixa Geral de Depósitos (CGD) do estatuto do gestor público, o Presidente da República retorquiu: "Não tenho nada a comentar".

Em seguida, sem precisar ao que se referia, acrescentou: "É uma questão antiga, que eu aliás já comentei há um mês e meio. Foi apresentada há um mês e meio, não tem nada de novo. Não tenho mais a acrescentar ao que já disse".

Em finais de Outubro, quando o PSD anunciou que iria apresentar um projecto no sentido daquele que agora foi apresentado, Marcelo Rebelo de Sousa reiterou que "não é possível nem desejável" que se pagasse num banco público o mesmo que recebem os administradores de uma instituição privada. Mas relativiza a questão dos salários face à necessidade de recapitalização da Caixa.

A comunicação social questionou também Marcelo Rebelo de Sousa sobre as críticas do antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes às suas declarações sobre a Caixa Geral de Depósitos, ao que o chefe de Estado respondeu que "nunca comenta comentadores".

 

comentários

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

De facto a CGD nunca deveria ser campo de luta partidária, mas o que é certo é que sempre o foi e isso, além de outras condicionantes, contribuiu(qb) para o estado a que chegou e tudo leva a crer para aquele a que poderá chegar. A verdade é que o envolvimento a que a CGD foi conduzida desde o início deste ano até aos dias de hoje e de que dificilmente se libertará tão cedo tem, na minha opinião, muitos culpados, essencialmente políticos do espectro da direita à esquerda, actuais e anteriores, com destaque contudo para os ora Governo(pela lastimável actuação de PM e MF versus Administração) e PR(pela pressa de promulgações/descurando aspectos duvidosos legislativos). Afinal de contas, temos direito a conhecer, o quê, como, porquê, por quem se chegou a este ponto na CGD, doa a quem doer!!!!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:42



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Dezembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D