Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




E SE FALÁSSEMOS DE " COELHOS "!

por O Fiscal, em 29.04.14

NA VERDADE HÁ...COELHOS BRAVOS E COELHOS DOMÉSTICOS...UNS GOSTAM MAIS DOS PRIMEIROS MAS OUTROS APRECIAM MAIS OS SEGUNDOS...OS CAÇADORES ESSES FICAM DOIDOS QUANDO LHES APARECE PELA FRENTE DA SUA ESPINGARDA UM DESSES ESPÉCIMES...SABEM QUE MAIS...TÊMOS Á NOSSA " FRENTE! " UM COELHO COR DE LARANJA QUE ANDA PARA AÍ MUITA GENTE(CAÇADORA E NÃO CAÇADORA) A QUERER " ABATER! "...MAS...EIS QUE...ESTÁ A SAIR DA TOCA(ONDE HÁ UNS ANOS SE ESCONDIA) UM OUTRO COELHO COR DE ROSA " E QUE COELHO! "...HOUVE UNS ANOS EM QUE APRECIEI OS COR DE ROSA ATÉ PERCEBER QUE ERAM UM TANTO(DIRIA NO MÍNIMO) " TRAIÇOEIROS " DONDE HOJE ME TER VOL TADO PARA OS COR DE LARANJA, ESPERANDO QUE DESTA VEZ " ACERTE MELHOR "...  

 

  VEM ISTO A PROPÓSITO DE:

http://www.publico.pt/politica/noticia/jorge-coelho-regressa-aos-discursos-em-comicios-socialistas-1633909

Jorge Coelho regressa aos discursos em comícios socialistas

Ex-braço direito de António Guterres tem colaborado na elaboração das conferências "Novo Rumo"

Comentários:

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

Aposentado , Abrantes

Já que o meu comentário a esta local emitido hoje por volta das 21h30m não aparece publicado nem sequer nos pendentes volto a insistir no objecto de fundo que ali contrapunha....««« Quiçá possa estar iminente com este ora regresso ao activo político do sr. Jorge Coelho o voltar aos tempos áureos do guterrismo da segunda metade dos anos 90(fim de século XX e respectivo milénio) ínicio do novo século XXI e respectivo milénio...basta que outro "Coelho" a curto prazo seja "caçado" pelas espingardas socialistas...e poderemos voltar...a ouvir ditos como "quem se mete com o PS leva"...ou a ter funcionários públicos(das administrações central, local e regional) de vínculo precário passados a vínculo definitivo(como aconteceu então em que o sr. JC operou um tal milagre para á volta de 120.000)»»».

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:11


O 25 DE ABRIL!

por O Fiscal, em 25.04.14

HOJE É O 40º ANIVERSÁRIO DO " MOVIMENTO DOS CAPITÃES "....APETECE-ME FALAR DO " MEU 25 DE ABRIL "....NO DIA 25 DE ABRIL DE 1974, Á BEIRA DOS MEUS 24 ANOS DE IDADE, JÁ CASADO E COM UMA FILHA, NAQUELA MANHÃ PRIMAVERIL DE QUINTA FEIRA, COMO HABITUALMENTE, PELAS 7,30 PEGUEI NO MEU CARRO E LÁ FUI DA MINHA RESIDÊNCIA-ABRANTES A CAMINHO DA ESTAÇÃO CF DO ROSSIO AO SUL DO TEJO PARA APANHAR O COMBOIO DAS 7,45 COM DESTINO AO ENTRONCAMENTO ONDE EXERCIA AS MINHAS FUNÇÕES PROFISSIONAIS. AO ENTRAR NA CARRUAGEM ESTRANHEI QUE A GRANDE MAIORIA DOS PASSAGEIROS, AINDA UM TANTO ENSONADOS,COMO EU ALIÁS, ESTAVAM MUDOS E CALADOS, MUITOS DELES AGARRADOS A TRANSISTORES, PELO QUE INQUIRI UM " MAS AFINAL O QUE SE PASSA? ", RESPONDEU-ME "AINDA NÃO SABE? HOUVE ESTA NOITE UM GOLPE MILITAR ". AO CHEGAR AO MEU LOCAL DE TRABALHO JÁ HAVIA MAIS NOVIDADES SOBRE O QUE ESTAVA A ACONTECER. O POVO VEIO PARA A RUA ENVOLVENDO OS MILITARES NUMA ALEGRIA INDESCRITÍVEL(SÓ QUEM A VIVEU!). OS DIAS QUE SE LHE SEGUIRAM FORAM "ESFUZIANTES". VEIO O 1º DE MAIO E FOI A LOUCURA GERAL. TAMBÉM EU VIBREI E PARTICIPEI EM ALGO INAUDITO PARA A GRANDE MAIORIA DE NÓS TODOS, AFINAL DE CONTAS VIMO-NOS COMO PASSARINHOS ANOS E ANOS FECHADOS NUMA GIOLA A QUEM ABRIRAM A PORTA DA " LIBERDADE ". ENTRETANTO OS BRIOSOS MILITARES/UM BOM PUNHADO DE JOVENS CAPITÃES/PÕE PERANTE OS PORTUGUESES A QUE SE PROPUNHAM COM A SUA ACÇÃO, OU SEJA O PROPÓSITO QUE DESIGNARAM COMO " OS 3 D´s "(A DEMOCRACIA/DESCOLONIZAÇÃO/DESENVOLVIMENTO)DAÍ TEREM ENTREGUE O PODER DIRECTO A FIGURAS MILITARES DE RELEVO NA CONDIÇÃO DE LOGO QUE CONCRETIZADOS AQUELES SEUS OBJECTIVOS OS MILITARES REGRESSARIAM AOS QUARTÉIS. VIERAM OS POLÍTICOS E PARTIDOS. A DEMOCRACIA E A DESCOLONIZAÇÃO COMEÇAM A DAR OS SEUS PASSOS. SEGUEM-SE ALGUNS CONTRATEMPOS PRÓPRIOS DUMA TRANSIÇÃO MAS QUE DEVIDO AO PAPEL DE CERTOS MILITARES E POLÍTICOS LOGO SÃO ULTRAPASSADAS. VAMOS ENTÃO ÁS PRIMEIRAS ELEIÇÕES LIVRES. O POVO CONTINUAVA A VIBRAR/PARTICIPAR. A DESCOLONIZAÇÃO CONCRETIZA-SE COM ERROS É CERTO MAS DE FORMA EXEMPLAR. A DEMOCRACIA ENRAÍZA-SE CADA VEZ MAIS NO QUOTODIANO DO "ZÉ POVINHO". O DESENVOLVIMENTO VAI DANDO OS SEUS PASSINHOS. OS MILITARES ENTREGAM TODOS OS PODERES AOS CIVIS E VOLTAM AOS QUARTÉIS. VÃO-SE ALTERNANDO NOS VÁRIOS ORGÃOS ELEITOS AS OPÇÕES DOS  PARTIDOS DO CHAMADO "ARCO DO PODER". CHEGAMOS AOS MEADOS DA DÉCADA DE 80 E O PAÍS TOMA UMA DIRECÇÃO HÁ MUITO DESEJADA " A AMBICIONADA ADESÃO Á CEE(HOJE UE) " NÃO SEM ANTES TERMOS TIDO NECESSIDADE POR DUAS VEZES DE PEDIR AJUDA EXTERNA. SEGUEM-SE OS ANOS DE OURO DO " DESENVOLVIMENTO ". NO INICIO DO NOVO MILÉNIO/SÉCULO NOVO PASSO DE GIGANTE " A INTEGRAÇÃO NO EURO ". ATÉ AQUI O MEU DESLUMBRAMENTO ERA TOTAL, VIBRAVA, PARTICIPAVA NA LUTA POLÍTICA AO LADO DOS SOCIALISTAS EMBORA SEMPRE DE FORMA INDEPENDENTE. MAS EIS QUE ME COMEÇO A APERCEBER DE ALGO QUE ME VAI DECEPCIONANDO E DEIXO AQUELA  PARTICIPAÇÃO POLÍTICA ACTIVA. ENTÃO POR VOLTA DA SEGUNDA METADE DA DÉCADA TRANSACTA AFIGUROU-SE-ME QUE ESTÁVAMOS A CAMINHO DE ALGO TENEBROSO DE CARÁCTER POLÍTICO/ECONÓMICO/SOCIAL, SÓ QUE NUNCA PENSEI QUE VIESSE A SER O QUE NOS ACONTECEU A PARTIR DE 2011. EM TODOS ESTES ANOS O PAÍS MUDOU RADICALMENTE EM TODOS OS ASPECTOS, FOMOS EXERCENDO E BENEFICIANDO DA DEMOCRACIA E CELEBRANDO O 25 DE ABRIL E O 1º DE MAIO. CHEGADOS AOS TEMPOS ACTUAIS SINTO-ME UM TANTO OU QUANTO " TRISTE ", É QUE NÃO ENTENDO QUE CERTAS FIGURAS MILITARES E POLÍTICAS PREPONDERANTES NAQUELA DITA TRANSIÇÃO DA " ABRILADA " AINDA VIVAS SEJAM ELAS PRÓPRIAS A POR EM CAUSA OS PRINCÍPIOS DA DEMOCRACIA QUE NOS PROMETERAM(RECORRENDO MESMO AO INSULTO/INFÂMIA/INCITAMENTO Á VIOLÊNCIA RELATIVAMENTE A ÓRGÃOS ELEITOS DEMOCRÁTICAMENTE E QUE PARA SEUS FINS INTERESSEIROS NÃO SE INIBEM DE DESRESPEITAR A MEMÓRIA DE " HOMENS MILITARES QUE O POVO DESDE 25/4 PASSOU A CONSIDERAR COMO SÍMBOLOS PRIMORDIAIS DOS CAPITÃES DE ABRIL". RECORDO COM SAUDADE OS MEUS AVÓS E PAIS QUE NA MINHA INFÂNCIA VI PASSAR DIFICULDADES E VIVÊNCIAS INIMAGINÁVEIS MAS SEMPRE DE CABEÇA ERGUIDA E INCUTINDO-ME OS PRINCÍPIOS QUE HOJE ME NORTEIAM, MOMENTOS DE VIDA QUE DEVO CONFESSAR FELIZMENTE JÁ ERAM MELHORES UM POUCO NOS ANOS SESSENTA QUANDO TERMINEI OS MEUS ESTUDOS E PASSEI AO MUNDO DO TRABALHO O QUE DIGA-SE A ELES O DEVO.

AFINAL DE CONTAS...GOSTO IMENSO DE SER PORTUGUÊS, QUERO VIVER APESAR DE TUDO NESTA DEMOCRACIA QUE O ABRIL E SEUS CAPITÃES NOS DERAM....VIVA ABRIL!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:07


A PGR E OS MIRÓS!

por O Fiscal, em 25.04.14

SEM MAIS " COMENTÁRIOS ".....

 

http://www.publico.pt/cultura/noticia/obras-de-miro-nao-podem-sair-do-pais-por-decisao-do-tribunal-1633525

 

Obras de Miró não podem sair do país por decisão do tribunal

Tribunal impede saída das obras. Christie's queria a colecção até ao final de Abril.

No mesmo dia em que o Tribunal de Contas (TC) concluiu que o contrato celebrado entre a Parvalorem e a Christie’s para o leilão das 85 obras de Joan Miró não estava sujeito a fiscalização prévia, o Ministério Público (MP) avançou com uma nova providência cautelar para evitar que estas peças sejam colocadas no mercado externo....Numa nota enviada às redacções, o MP faz saber que, “em defesa do património cultural e dos bens do Estado”, interpôs esta quinta-feira uma nova providência cautelar – é a terceira desde Fevereiro. O objectivo, lê-se na mesma nota, é “evitar que as obras de Miró, que vieram à posse e titularidade do Estado após a nacionalização das acções do Banco Português de Negócios, fossem colocadas no mercado externo.....o Ministério Público pediu o decretamento provisório desta providência cautelar....o Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa decretou a medida provisória pedida pelo MP.....soube-se este mês que seria intenção da Procuradora-Geral da República (PGR), Joana Marques Vidal, interpor uma nova acção. Em Fevereiro, depois de o leilão ter cancelado, a procuradora disse publicamente, numa entrevista à RTP, que tentaria travar a venda deste acervo, não afastando a possibilidade de novas acções. Na altura, Marques Vidal considerou ser obrigação do MP proteger o património cultural do país.....

Comentários:

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

Aposentado , Abrantes

Pode a srª PGR Joana Marques Vidal ter alguma razão..mas parece-me que a sua posição face á questão da venda dos Mirós se revela mais um "querer por-se em bicos de pés"..é que a actual Procuradoria Geral da República alega agora uma das finalidades da sua existência "a defesa dos interesses públicos"..isto a propósito de uma parte dos bens revertidos para o Estado por força da nacionalização do BPN..quando o BPN justificaria uma actuação célere por parte do MP no sentido da "apreensão máxima de bens"que pudesse vir a evitar que fossem os contribuintes a suportar tanto "os ditos riscos sistémicos!"afigura-se-me que foi então um tanto "diria lenta?"..como o tem sido perante "palpites!" visando na "questão BPN" o PR que segundo alguns devia estar a ser julgado e aí o que faz a PGR?..!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:52


PASSO...A...PASSO...!

por O Fiscal, em 23.04.14

HOJE TIVEMOS " NO INFERNO! " EM QUE NOS VIMOS MERGULHADOS DE HÁ TRÊS ANOS PARA CÁ, MAIS DUAS NOTÍCIAS QUE NOS DEVEM INCUTIR ALGUNS SINAIS DE ESPERANÇA...REFIRO-ME...AO REGRESSO PELO " NOSSO EXCLUSIVO PÉ " AOS MERCADOS...E...AOS RESULTADOS DAS CONTAS DO 1º TRIMESTRE DO CORRENTE ANO...SÃO DADOS DEVERAS IMPORTANTES...O PRIMEIRO PORQUE SIGNIFICA QUE O PAÍS ESTÁ A POUCO E POUCO A RECUPERAR A SUA CREDIBILIDADE EXTERNA PERDIDA NO INÍCIO DESTA DÉCADA...O SEGUNDO PORQUE SOLIDIFICA EM 2014 A TENDÊNCIA DE HÁ UM ANO PARA CÁ...VÊM OS MESMOS NO SEGUIMENTO DE OUTROS(VG. DESCIDAS NO DESEMPREGO/DÉFICES ORÇAMENTAIS/EM TAXAS DE JURO DE MERCADOS,MELHORIAS NA CRIAÇÃO DE EMPREGO/NA RECUPERAÇÃO ECONÓMICA/NO INVESTIMENTO/NO CONSUMO,ETC.)...CONTUDO JÁ SE OUVEM "AS VOZES DA DESGRAÇA!"... PARA JÁ DA ÁREA POLÍTICA OPOSICIONISTA DO ARCO DO PODER MAS QUIÇÁ LOGO..LOGO.. VENHAM TAMBÉM " AS VOZES DE CERTOS DESPEITADOS! " POR EXEMPLO DA ÁREA COMENTADEIRA...APRESSADOS NA TOMADA DA POSIÇÃO «« AH! SIM..MAS..NÃO É BEM ASSIM..»»...PENSO QUE HÁ QUE RECONHECER QUE TODOS ESTES RESULTADOS SE DEVEM E SÃO MÉRITO ANTES DE MAIS DO ESPÍRITO DE "COMPREENSÃO/SOFREGUIDÃO" DA ESMAGADORA MAIORIA DOS PORTUGUESES QUE NÃO SE DEIXARAM IR DESDE HÁ 1 ANO E MEIO PARA CÁ NO CANTO DE "SEREIAS"QUER DOS QUE OS INCITAVAM Á REVOLTA(?) QUER DOS QUE LHES ACENAVAM COM A AINDA MAIOR CATÁSTROFE(LEMBRAM-SE?,DO PS, DOS SOARES-VASCOS-ALEGRES-FREITAS-BAGÕES-

-ADRIANOS-PACHECOS-MARCELOS-LEITES/PARA SÓ CITAR ALGUNS DE TOPO E O QUE ELES PRECONIZAVAM) MAS SEJAMOS COERENTES LOGO DE SEGUIDA TAMBÉM SE DEVEM E SÃO MÉRITO DA "DETERMINAÇÃO"DOS ACTUAIS OCUPANTES AO MAIS ALTO NÍVEL GOVERNO/PR/MAIORIA PSD-CDS...

ORA SE OS PORTUGUESES E SEUS GOVERNANTES CONTINUAREM NA MESMA SENDA O TÚNEL! DESTA NOSSA " ENCRUZILHADA " PODERÁ ESTAR PRESTES A MOSTRAR-NOS A " LUZ " QUE TANTO ANSIAMOS E COM ELA A SAÍDA DO TAL " INFERNO " QUE TALVEZ NÃO VENHA A SER O CÉU NEM SEQUER O PARAÍSO VISIONÁRIO DE OUTRORA MAS TAMBÉM DEIXARÁ DE SER AQUELE INFERNO...OXALÁ ASSIM VENHA A SER !!!!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:43

http://www.publico.pt/politica/noticia/mario-soares-quer-governo-derrubado-freitas-pede-novo-partido-1633042

 

 

25 de Abril

40 anos de democracia

Congresso sobre o 25 de Abril serve de palco a duras críticas ao Governo de Passos Coelho.

Mário Soares quer governo derrubado; Freitas pede novo partido

....congresso sobre o 25 de Abril respondeu à pergunta “E agora [como está o país 40 anos depois]?”.

Foi com críticas - umas mais duras, outras comedidas – ao actual Governo que boa parte dos oradores de um congresso sobre o 25 de Abril respondeu à pergunta “E agora [como está o país 40 anos depois]?”. Mário Soares quer que o Governo seja “derrubado”, o fundador do CDS-PP defende que falta um novo partido ao centro e Pacheco Pereira visa que se está a criar uma sociedade “não democrática e autoritária”.

 

A sessão de abertura do congresso A Revolução de Abril, organizado pelo Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, que se realiza entre esta segunda-feira e quarta-feira, juntou Mário Soares, Diogo Freitas do Amaral, Fernando Rosas, José Pacheco Pereira e Aniceto Afonso para falarem sobre o significado e o balanço da revolução.

 

À questão 'e agora?', Mário Soares retorquiu: “Agora é preciso derrubar este Governo, a resposta é muito simples. Estou a falar muitíssimo a sério. Não há mais nada a fazer. [O Governo] está a destruir o país, está a destruir as pessoas. Põe as mais válidas fora porque são demasiado inteligentes e eles não gostam de gente inteligente."

 

O fundador do PS e antigo Presidente da República insistiu: "É evidente que este Governo está a destruir Portugal e cada vez vai destruir mais. Já não temos SNS, Estado social, direitos do Homem. Eles fingem que são democratas mas querem um 25 de Abril a fingir.” E acrescentou, citando um manifestante das forças de segurança na última concentração frente ao Parlamento: “‘Hoje foi assim, a bem, da próxima vez vai a mal’. Eu achei que essa era uma bela ideia.”

 

“É indispensável acabar com este regime o mais depressa possível", defendeu Soares que diz ser "um crime" o que o Executivo de Pedro Passos Coelho tem feito com Portugal. "Aqueles que fazem e comprometem o futuro têm que ser julgados um dia, mais tarde ou mais cedo."

 

As eleições de Maio serão essenciais. Mário Soares considera “evidente” que vai acontecer [uma ruptura] "através das europeias ou depois disso. Mas vai acontecer porque este país está a ser liquidado aos poucos. Eles se tivessem vergonha tinham saído espontaneamente, assim vão ter que sair à força."

 

José Pacheco Pereira considerou que "a sociedade que hoje se está a criar é não democrática e autoritária” e até quase falou em uníssono com o historiador Fernando Rosas ao criticar os mitos que o actual Governo instalou na sociedade que servem para justificar a austeridade, como o de que os reformados recebem acima do que descontaram.

 

O fundador do CDS-PP, Diogo Freitas do Amaral veio lançar um repto. As europeias de Maio serão, disse, uma “sondagem em tamanho real” sobre o que os portugueses querem para o país e a partir daí deve-se “começar a construir uma nova solução que saia vencedora nas legislativas de 2015”.

 

Essa “nova solução” depende, porém, da resposta a uma de três perguntas/necessidades: ou a esquerda se une para o PS conseguir governar em maioria, ou o PS recicla a sua direcção e a sua estrutura interna, ou o PSD muda de líder.

 

"Há ou não há, à esquerda do PS um ou dois partidos que se decidam a fazer uma coligação com o PS para que este não fique mais uma vez minoritário e incapaz de governar?. Em segundo lugar: o PS está satisfeito com a sua actual direcção ou percebe que com ela não terá maioria absoluta e é capaz de alterar por dentro o estado de coisas? Terceiro: o PSD vai continuar a aplaudir o Júlio César que dele tomou conta ou encontra um Brutus capaz não de o assassinar mas de o substituir para as eleições de 2015?"

 

Se nada disso acontecer e se as eleições europeias de Maio não trouxerem uma alternativa, “então o povo português vai ter que ser capaz de criar um novo partido que ajude a refazer o sistema partidário português”.

 

Freitas recusa voltar à política activa por não ter "idade nem saúde para isso" e diz que fundar esse partido é uma tarefa para os mais jovens - mas se for entre o PS e o PSD terá o seu apoio. "Não sou um político no activo, não me compete a mim pôr no terreno nenhuma solução prática. (...) Mas isso tem que ser feito por quem está activo na política, não é pelos reformados e pensionistas de pernas cortadas."

 

Freitas foi especialmente crítico com a sua família política e defendeu que os actuais PSD e o CDS-PP esqueceram a social-democracia e a democracia-cristã da sua génese. “É preciso construir uma solução alternativa a esta governação, com pessoas de direita, do centro, da esquerda, mas com uma mentalidade de democracia e de justiça social que desapareceu do discurso e dos objectivos deste Governo. A política deste governo é desumana, vê as pessoas como descartáveis.”

 

O fundador do CDS-PP afirmou que o Executivo anda "numa política de mentira". "Temos que passar para uma política de verdade, temos de passar do autoritarismo para a democracia, temos que passar da defesa da oligarquia e dos mitos para a defesa das classes médias e dos mais pobres."

 

Freitas diz mesmo que em vez de caminhar para ser um país europeu e progredir à europeia, Portugal está a ser levado para o lado de países como Marrocos, Argélia e Tunísia. "Porque é para lá que nos estão a levar – com todo o respeito por esses países – mas em termos de desenvolvimento económico, nós fizemos metade do caminho que nos separava da Europa e agora estamos a voltar para trás. E qualquer dia estamos a atravessar o canal de Gibraltar até ao norte de África."

Comentários:

 

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

 

Aposentado , Abrantes

 

 

De uma vez por todas...nós portugueses...em geral...temos de acordar e ter coragem(!)...estamos á beira do 40º aniversário do 25 de Abril...já nasceram desde aquela data duas gerações...quem é mais velho(ou seja os que ainda por cá andam desde os tempos da chamada "velha senhora") têm o direito mas também a obrigação de participar civicamente no alertar dos mais novos para o seu também direito/obrigação de participação...vem isto a propósito por exemplo de posições como as aqui veinculadas dos srs. Mário Soares - Freitas do Amaral ou Pacheco Pereira...sabem que mais...homens que se dizem democratas...mas que...ultimamente de prática democrática têm muito pouca..e isso tem de ser corajosamente denunciado pois de anti-democracia já nos bastaram os tempos do ante-25 de Abril..!!!!

 

QUERIA AINDA ACRESCENTAR...LÊ-SE E CUSTA A ACREDITAR...COMO É POSSÍVEL OUVIR AFIRMAÇÕES DESTE TEOR VINDAS DE INDIVIDUALIDADES QUE DE CERTO MODO TÊM SÉRIAS RESPONSABILIDADES NO CAMINHO DESTES 40 ANOS DA NOSSA VIVÊNCIA DEMOCRÁTICA OU SERÁ QUE ESTÃO AFECTADOS POR QUALQUER SÍNDROME DO ESQUECIMENTO?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:35


EU TAMBÉM ACHO LAMENTÁVEL!

por O Fiscal, em 16.04.14

http://www.publico.pt/local/noticia/camara-de-abrantes-considera-lamentavel-falta-de-investimento-em-acessibilidades-1632283

 

 

Câmara de Abrantes considera “lamentável” falta de investimento em acessibilidades

................"É lamentável este anúncio que não resolve nada em termos de acessibilidades, nem para Abrantes, nem para todo o Médio Tejo", disse à agência Lusa Maria do Céu Albuquerque (PS), que preside à Câmara de Abrantes e também à Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo (CIMTejo), com 13 municípios........

 

Comentários:

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

Aposentado , Abrantes

Também eu considero " LAMENTÁVEL "...não pelo mesmo objecto aqui enunciado pela srª Maria do Céu Albuquerque,Presidente da Câmara Municipal de Abrantes e da CIMTejo...pois o que ela aqui vem lamentar vg. no que diz respeito a Abrantes embora possa ser de assinalar..de facto as "culpabilidades"por tal desiderato não me parece que devam ser assacadas a quem ela pretende mas sim principalmente a ela própria e seus correlegionários rosa locais e nacionais..é que se não tivessem praticado uma gestão local e nacional deveras "ruinosa"quiçá hoje não tivessemos que fazer tais lamentos..é que por exemplo..se não tivessem desbaratado(digo mesmo atirado para o lixo?) na última meia dúzia de anos neste concelho para cima de 1,5 milhões de euros tal pudesse evitar algo(lembram-se da RPPSOLAR?)....!!!!!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:13


QUANDO SE PERDE A RAZÃO?

por O Fiscal, em 15.04.14

TRANSCREVO....SOB A FORMA DE...«««NO COMENTS »»»

http://www.noticiasaominuto.com/politica/203963/cavaco-nunca-usou-cravo-porque-antes-do-25-de-abril-era-salazarista

 

 

Mário Soares "Cavaco nunca usou cravo porque antes do 25 de Abril era salazarista"

 

O antigo Presidente da República Mário Soares deposita a tónica do artigo de opinião que assina esta terça-feira no Diário de Notícias, na defesa dos militares de Abril, a pretexto da passagem sobre os 40 anos da Revolução dos Cravos. E ainda a este propósito, Soares ‘ataca’ o atual chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, acusando-o de ter sido “salazarista” antes da queda do regime ditatorial.

 

Política

Cavaco nunca usou cravo porque antes do 25 de Abril era salazarista

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:56


AFINAL...AINDA SE HONRA A MEMÓRIA?

por O Fiscal, em 15.04.14

SEM QUALQUER ESPÉCIE DE " VANGLORIARISMO " E SERVINDO DE ADITAMENTO AOS MEUS POST´s DE 23 DE JANEIRO ««SE A HIPOCRISIA PAGASSE IMPOSTO »» DE 7 DE FEVEREIRO «« SOBRE O AINDA E SEMPRE EXEMPLAR CAPITÃO DE ABRIL »» E DE 26 DE MARÇO «« APLAUDE-SE..E..DESAPLAUDE-SE! »

CONFESSO QUE HOJE LI UMA NOTÍCIA QUE SOBEJAMENTE ME AGRADOU POR SE ENQUADRAR NOS MEUS PRINCÍPIOS QUIÇÁ " FUGIDOS POR VEZES AO POLITICAMENTE CORRECTO " E QUE NÃO QUERO DEIXAR DE PARTILHAR....

 

VAMOS LÁ ENTÃO AO NOTICIADO:

http://www.publico.pt/politica/noticia/restos-mortais-de-salgueiro-maia-devem-permanecer-no-cemiterio-de-castelo-de-vide-diz-viuva-1632256#/0

Restos mortais de Salgueiro Maia devem permanecer no cemitério de Castelo de Vide, diz viúva

A vontade expressa em testamento pelo militar de Abril manifesta o desejo de ser sepultado em campa rasa na terra onde nasceu em 1944.


O apelo lançado por Manuel Alegre à Assembleia da República, no início do ano, para que estes aprovassem a trasladação dos restos mortais do capitão Salgueiro Maia do cemitério de Castelo de Vide, onde se encontra sepultado desde 1992, para o Panteão Nacional, mereceu a reprovação de Natércia Maia, viúva do militar.

 

A posição de Natércia Maia, que tinha mantido o silêncio em relação ao apelo de Manuel Alegre, foi assumida no decorrer das comemorações do 40º aniversário do 25 de Abril que se iniciaram no sábado em Castelo de Vide, terra natal do militar que comandou a coluna militar vinda de Santarém e que foi determinante para o eclodir do regime democrático em Portugal.

 

A viúva de Salgueiro Maia afirma que a vontade do seu marido, assumida no testamento que escreveu em 1989, três anos antes da sua morte, ao exigir ser sepultado em campa rasa e sem honras de Estado, “deve ser respeitada”.

 

É este desejo que Natércia Maia quer ver satisfeito “enquanto for viva”, afirmando emocionada que os restos mortais do capitão de Abril “vão permanecer em Castelo de Vide”.

 

O presidente da Câmara de Castelo de Vide, António Pita, recordou como também ficou “surpreendido” com a proposta da eventual trasladação dos restos mortais de Salgueiro Maia para o Panteão Nacional, quando o testamento do militar expressa a vontade de querer ficar sepultado em campa rasa no talhão dos combatentes na terra onde nasceu em 1944, e identificado com uma lápide muito simples.

 

A posição da viúva e do autarca foi contrariada por um dos membros da Associação 25 de Abril, o coronel Garcia Correia, que se deslocou a Castelo de Vide à frente de uma delegação vinda de Santarém para homenagear o seu companheiro de armas, defendendo a trasladação de Salgueiro Maia para o Panteão Nacional, que classificou de “herói nacional” e, como tal, os seus restos mortais “ deixam de pertencer apenas à terra onde nasceu”.

 

Salgueiro Maia morreu vítima de doença cancerígena em 1992, no Hospital Militar em Lisboa.

 

MAS MAIS....HÁ MUITO QUE SE ESPERAVA UMA TOMADA DE POSIÇÃO DA FAMÍLIA " SALGUEIRO MAIA " SOBRE ESTA AQUI EM CAUSA PROBLEMÁTICA PELO QUE LOUVE-SE APESAR DE TUDO " A CORAGEM " DA SRª NATÉRCIA MAIA...NÃO SEM QUE SEJA DE LAMENTAR A TODOS OS NÍVEIS A POSIÇÃO AINDA POR CIMA PRESENCIAL(PESSOAL E LOCALMENTE) ASSUMIDA PELO SENHOR CORONEL GARCIA CORREIA(EM NOME DA ASSOCIAÇÃO 25 DE ABRIL)PESSOA QUE DESCONHEÇO MAS QUE ACHO PERFEITAMENTE ENQUADRÁVEL EM DETERMINADO SECTOR DO PENSAMENTO HOJE EM VOGA....

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:06


SAÍDA DA TROIKA?...QUANDO?...QUE DIZER?

por O Fiscal, em 14.04.14

http://www.publico.pt/politica/noticia/ultimo-pagamento-da-troika-so-em-junho-1632088

 

Último pagamento da troika só em Junho

 

 

Decisão de prolongamento da vigência do programa tem a ver com questões processuais, garante a Comissão. Bruxelas diz que não haverá nem novas missões nem novas condições depois de 17 de Maio.

O MEEF é o mecanismo que garante parte do empréstimo a Portugal, recorrendo ao orçamento da UE, pelo que tem de ser aprovado pelo Conselho

 

A vigência oficial do programa português será alargado por seis semanas, até ao final do mês de Junho, para garantir que há tempo para a aprovação da última tranche do empréstimo concedido pela troika. De acordo com o documento que fecha, do lado das autoridades europeias, a 11.ª avaliação a Portugal, a assistência financeira ao país passa a ser disponibilizada, não durante três anos, como estava previsto desde o início, mas sim durante três anos e seis semanas.

Na explicação dada para esta decisão, é recordado que o início da 12.ª e última avaliação ao programa português não acontecerá antes de meados do mês de Abril. “Significa isto que os processos relativos à conclusão da avaliação e à preparação da documentação necessária seriam comprimidos em pouquíssimas semanas, com o risco de o tempo ser insuficiente para uma avaliação adequada da conformidade. Haveria também o risco de incumprimento do prazo para a conclusão do Programa, caso em que Portugal perderia o pagamento final”, afirma a Comissão Europeia na sua proposta ao conselho para o final da 11.ª avaliação. Por isso, conclui-se, “parece prudente prorrogar por seis semanas o período de disponibilização do Programa”.

Contactado pelo PÚBLICO, o porta-voz da Comissão Europeia para os Assuntos Económicos e Financeiros afirma que “não há absolutamente quaisquer considerações politicas ou de política por trás da decisão de extensão do programa português, que efectivamente irá terminar em 17 de Maio”. “A extensão técnica está unicamente relacionada com o pagamento final feito pelo Mecanismo Europeu de Estabilidade Financeira (MEEF) que, por razões processuais, está previsto que seja feito em Junho. Isto tem a ver com questões processuais, não com política”, garante. Este responsável faz ainda questão de garantir que, “depois de 17 de Maio, não haverá nem novas missões, nem novas condições, nem novos relatórios”.

O MEEF é o mecanismo que garante parte do empréstimo a Portugal, recorrendo ao orçamento da UE, pelo que tem de ser aprovado pelo Conselho. Já o último pagamento a efectuar pelo Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF) deverá ser feito, segundo os seus responsáveis, até 17 de Maio. Por fim, o pagamento a efectuar pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) acontece apenas depois da aprovação por parte do conselho executivo da instituição.

 

Comentários:

 

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

 

Aposentado , Abrantes

 

 

De duas uma...ou é a Comissão Europeia ou a Comunicação Social...que estão a querer introduzir..no "léxico!"da actualidade dedicado á saída «« troikana »» quiçá uma certa perturbação com fins propositados..se por um lado o discurso oficial do governo aponta desde há algum tempo que o final do programa ocorre em 17 de Maio e que até lá será tomada a decisão do modo de saída(alvitrando-se como limite o dia 5/5)..por outro lado é perfeitamente visível que certos sectores bem identificados(da área política/partidária activa e reservista) sentindo-se contrariados pelo que profetizavam há ano e meio atrás viesse a acontecer face á evolução entretanto ocorrida que parece ser-lhes um engulho ousam agarrar qualquer escolho para incentivar a confusão..daí espera-se que o PM cumpra o que tem dito..!!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:09


USAR DA PALAVRA!

por O Fiscal, em 11.04.14

A PROPÓSITO:

 

http://www.publico.pt/politica/noticia/o-problema-e-deles-diz-assuncao-esteves-sobre-exigencia-dos-militares-1631772

"O problema é deles", diz Assunção Esteves sobre exigência da Associação 25 de Abril

Presidente da Assembleia da República trava reivindicações dos militares de usarem da palavra na cerimónia como algo "que não existe". Vasco Lourenço responde que, sendo assim, não estarão presentes.

A presidente da Assembleia da República afirmou esta quinta-feira que convidou a Associação 25 de Abril para estar presente na sessão solene comemorativa da revolução, e que se os militares impõem a condição de falar "o problema é deles".

"Todos os anos há convite à associação 25 de Abril. Este ano houve novo convite, o resto não existe, não comento o que não existe", começou por dizer Assunção Esteves aos jornalistas.

Confrontada com a condição de usar da palavra imposta pelo presidente da Associação 25 de Abril, Vasco Lourenço, para que os militares de Abril estejam presentes na sessão solene, Assunção Esteves respondeu: "O problema é deles". "Houve um convite para virem ao parlamento, só", frisou.

O assunto nunca foi levado formalmente a conferência de líderes nem se prevê que venha ser tratado na próxima, agendada para 23 de Abril. Isto porque nenhum partido incorporou a reivindicação da Associação 25 de Abril numa proposta formal de alteração ao formato habitual da cerimónia, que se cumpre no Parlamento com intervenções de um deputado por bancada, a presidente da Assembleia da República e o Presidente da República.

A questão não foi referida nas reuniões do grupo de trabalho criado para elaborar o programa de comemorações do 25 de Abril da Assembleia da República e que é composto por um deputado de cada bancada. Nuno Encarnação, do PSD, disse ao PÚBLICO que as bancadas formalmente não tiveram conhecimento do pedido dos militares. Os sociais-democratas defendem que não se deve mexer no modelo actual das intervenções, "que está bem como está", disse Nuno Encarnação.

O Bloco de Esquerda não vai apresentar qualquer proposta para os militares usarem da palavra, mas mostram abertura a que possam falar na sessão, desde que não seja no tempo regimental estabelecido. João Oliveira, líder da bancada comunista, afirma que "a questão não foi colocada" e que o PCP não apresentará qualquer proposta nesse sentido.

Vasco Lourenço: "Sendo assim não vamos"
Em resposta às declarações de Assunção Esteves, o presidente da Associação 25 de Abril, Vasco Lourenço, afirmou que "o problema está resolvido" e que os militares de Abril não irão à cerimónia.

"A senhora presidente da Assembleia da República disse que o problema é nosso. Sendo assim, o problema está resolvido, não estaremos presentes", afirmou Vasco Lourenço à Lusa.

Vasco Lourenço disse não querer responder "à letra" a Assunção Esteves porque "poderia ser indelicado". "Posso dizer que fui surpreendido pela forma como tomei conhecimento da posição da Assembleia da República através de uma declaração da senhora presidente", limitou-se a referir.

Horas antes, Vasco Lourenço tinha dito aos jornalistas que aguardava resposta da presidente da Assembleia da República sobre a condição de usar a palavra na sessão solene do 25 de Abril, que impôs para os capitães participarem na cerimónia, de que estão ausentes há dois anos.

"A senhora presidente da Assembleia da República fez-me um convite telefonicamente, eu disse quais as condições em que nós iríamos, ela ficou de nos dizer alguma coisa, ainda não disse", afirmou, à margem da apresentação do livro de Manuel Alegre País de Abril.

Confrontado com o regimento da Assembleia da República, Vasco Lourenço respondeu que "já houve não parlamentares que falaram no plenário da Assembleia da República, presidentes de países estrangeiros já falaram".

Além disso, "os regulamentos são feitos para se alterarem quando é necessário. Se é uma situação excepcional, em que dizem que nós somos imprescindíveis naquela sessão solene, então haja uma decisão excepcional", disse.

Vasco Lourenço sublinhou que esta não é "uma atitude anti-Assembleia da República", frisando que os militares de Abril participarão em outras cerimónias do programa das comemorações, nomeadamente a homenagem a Marques Júnior, militar de Abril e deputado, falecido no ano passado.

.No ano passado, a Associação 25 de Abril voltou a não estar presente na sessão solene comemorativa do aniversário da revolução de 1974, como aconteceu em 2012, por considerar que o actual ciclo político está contra os seus ideais e valores

E justificou a decisão por considerar que "a linha política seguida pelo actual poder político deixou de reflectir o regime democrático herdeiro do 25 de Abril configurado na Constituição da República Portuguesa" e que "o poder político que actualmente governa Portugal, configura um outro ciclo político que está contra o 25 de Abril, os seus ideais e os seus valores".

A Associação sublinhava que a sua ausência da sessão solene "não visa as instituições de soberania democráticas, não pretendendo confundi-las com os que são seus titulares e exercem o poder". com Lusa

Comentários:

JOÃO ALEXANDRE-ABRANTES

Aposentado , Abrantes

Era usual ouvir como conotação ao 25 de Abril de 1974 o propósito da prossecução "dos três D´s"..ou seja..Democracia + Desenvolvimento + Descolonização..estamos á beira da passagem do 40º aniversário daquele dia memorável..e é caso para perguntar..como estamos quanto a tal propósito?..sem dúvida um tanto mal..por um lado votamos mas vêmos certos"figurantes!"usarem meios antidemocráticos para "atacarem!"quem o povo elege..será isto Democracia?..por outro lado vêmos a que situação chegámos.será isto Desenvolvimento?..já quanto ao terceiro D agora não têmos "colónias"nem excelentes relacionamentos..contudo deveremos estar acima de tudo sempre gratos "aos briosos capitães de Abril"..sem que essa gratidão implique ceder por exemplo á pretensão do sr. Vasco Lourenço que em 37 anos não exigiu..!!

 

É FÁCIL PERCEBER O QUE ESTÁ AQUI EM CAUSA...O SUBLINHADO A CORES É MEU...SE POR UM LADO A SRª PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DE REPÚBLICA ASSUNÇÃO ESTEVES TEM RAZÃO NO ÓBICE JÁ NOS MODOS COMO SE JUSTIFICOU DEVERIA TER SIDO MAIS PONDERADA...TAMBÉM PELO SEU LADO O SR. PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO 25 DE ABRIL VASCO LOURENÇO ESCUSAVA DE EXAGERAR NOS SEUS CONSIDERANDOS RELATIVAMENTE AOS ACTUAIS TITULARES DO PODER ELEITOS DEMOCRATICAMENTE...ENFIM...AFINAL O USO DA PALAVRA TEM MUITO QUE SE LHE DIGA....

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:50

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Abril 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D